Maternidade ecológica: dicas para mamães terem hábitos sustentáveis

Muito podemos fazer para sermos ecologicamente corretas e diminuirmos o impacto depredativo no meio ambiente

atualizado 05/07/2019 10:50

Desde que entrei para o mundo da maternidade, venho sendo bombardeada por todos os lados sobre o que eu devo comprar, sentir ou fazer. É como se tivesse um manual padrão usado por 90% das mamães. Esse mercado é enorme e não para de crescer. Aliás, já reparou que estamos vivendo um baby boom daqueles? Surgem a cada dia mais invenções para bebês com a intenção de causar nas mães o sentimento de que aquele produto é essencial, pois todo mundo tem.

Calma, não é bem assim. Julgamentos à parte, o que me chamou mais atenção é o quanto viver esse mundo pode ser pouco ou nada sustentável. Milhares de fraldas, roupas, acessórios de plástico, tudo novo. Em média, um único bebezinho gasta 1.200 fraldas em seis meses. Além disso, segundo o site The Guardian, o custo ambiental de ter uma criança é enorme – 58,6 toneladas de carbono a cada ano.

Confesso que não consigo estar totalmente fora da lista, mas me preocupo e tento fazer de tudo para melhorar e tornar essa vida mais sustentável. E sinto que, por ter um espaço na mídia, é minha obrigação fazer um alerta e plantar essa sementinha.

Muitas mamães estão mais conscientes em relação à sustentabilidade. De acordo com uma pesquisa feita em 2010 pela Organic Trade Association, desde 2002, as vendas de produtos orgânicos quase triplicaram, conforme mostra o site o webmd.com.

Menor impacto ambiental
Resolvi reunir dicas para as mamães ou futuras mamães que quiserem ser mais sustentáveis e criar menor impacto ambiental para nossa querida e grande mãe, Gaia: o planeta Terra

Amamentação: a não ser que você por algum motivo não possa, amamente. Não há nada mais orgânico, natural e sustentável do que o leite materno. Além e ser a opção mais saudável, você evita o uso de mamadeira, acessórios, leite e fórmulas, e ainda economiza a água que seria usada para lavar esses utensílios.

Fórmula infantil: se você optar por não amamentar seu bebê, estão disponíveis fórmulas infantis que exibem o Selo Orgânico, que certifica que os ingredientes são cultivados sem o uso de certos pesticidas e que as fórmulas lácteas vêm de vacas que não recebem hormônios, antibióticos ou outros produtos químicos. Tente usar mamadeiras de vidro ou livres de plástico BPA.

Fraldas: fraldas descartáveis são o que há de menos ecológico. O ideal seria usar as velhas fraldas de pano, no entanto, sabemos que não são tão práticas e requerem bem mais cuidados. Uma opção seriam as descartáveis biodegradáveis, hipoalergênicas e atóxicas.

Objetos livres de plástico: se pararmos para contar quantos itens de plástico utilizamos, não terá fim. Além de não ser ecológico, pode ser tóxico e disruptivo endócrino. Portanto, é preciso procurar soluções mais inteligentes, como utensílios feitos de silicone e bambu, mamadeira de vidro, borrachas biodegradáveis e saquinhos de panos ecológicos, entre outras infinitas possibilidades.

Consumo consciente: eu sei que a vontade de comprar tudo novinho é grande, mas deixe a tentação de lado e faça parte do consumo consciente. Compre usados, troque com as amigas, monte uma rede de câmbio de objetos e roupinhas.

Enfim, estas são algumas ações que podemos fazer para sermos mais ecologicamente corretas ecologicamente corretas e diminuirmos o impacto depredativo no meio ambiente.

Espero que curtam e comprem essa ideia.

Últimas notícias