metropoles.com

Distribuir fake news é como receptar produtos ilegais e repassá-los. Não seja esta pessoa

Produzir fake news é atentar contra o direito de todo cidadão a ter acesso a uma informação fidedigna

diretora de Comunicação e Relacionamento da Engenho Comunicação

atualizado

Compartilhar notícia

Fake news é uma mentira disfarçada de notícia. Seu conteúdo nunca traz nada de bom, de positivo. Tem como objetivo fomentar opiniões, contundentes de preferência, e incentivar a agressividade para desconstruir o seu alvo. É intencionalmente preparada para provocar reações negativas, julgar pessoas e corroer reputações, conceitos e relacionamentos. Seus principais canais de proliferação são redes sociais e WhatsApp. Produzir fake news é abusar da boa-fé de quem irá recebê-las. É atentar contra o direito de todo cidadão a ter acesso a uma informação fidedigna.

O direito à informação é um preceito constitucional instituído no Brasil em 1988, quando a Carta Magna vigente entrou em vigor. Em nosso país, assim como nas demais nações democráticas, o direito à informação é uma garantia definida em lei, uma segurança ofertada ao cidadão. Pública ou particular, de interesse geral ou restrito, a informação, para assim ser considerada, precisa expressar a realidade.

Enviar para o WhatsApp de um cidadão uma informação mentirosa equivale a lhe entregar um produto falsificado. É uma invasão de sua “casa” digital, para deixar-lhe o resultado de uma fraude. É atentar contra sua boa-fé, para lhe trazer malefícios. Escrever, adaptar ou distribuir fake news é uma metáfora comportamental que equivale a receptar produtos ilegais e repassá-los ao mercado.

Diante de uma informação que lhe cause impacto, distribuída fora dos meios convencionais, que são rádio, TV, plataformas de notícias, jornais e revistas, desconfie! Ao começar a leitura, verifique qual a fonte de informações, o autor e o vocabulário utilizado no texto. Notícias não têm adjetivos, não têm exclamações, interjeições, nem são escritas para induzir o leitor a uma opinião, que nem sempre coincide com sua interpretação original.

A data do fato é muito relevante. Por exemplo: fotos de filas para comprar gás durante a greve dos caminhoneiros foram utilizadas recentemente em grupos de WhatsApp como se retratassem desabastecimento em tempos de Covid-19. Seu uso, com o intuito de gerar pânico, acentuar a insegurança da população e divulgar um problema inexistente caracteriza uma fake news. Os detalhes da imagem foram reveladores: a proximidade entre as pessoas na fila e a falta de máscara dos que aguardavam atendimento deram as pistas para desconstruir a mentira. Também tem sido comum a distribuição de fake news com recomendações falsas contra a Covid-19, atribuídas a médicos que não existem.

Detectar uma fake news é mais fácil do que parece. Pesquise em sites de busca se a informação que você recebeu está referenciada em outras bases de dados. A preocupação em esclarecer se uma informação é ou não fake news já se institucionalizou. Entidades públicas e privadas se dedicam a desfazer dúvidas e enganos e a fomentar o que se chama de educação midiática.

No Poder Público, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) desenvolveu um programa para coibir a difusão de mentiras que influenciam nos resultados eleitorais. O Instituto Palavra Aberta, entidade do Terceiro Setor, criou o EducaMídia, um programa gratuito, acessível por Internet, para combater informações duvidosas.

A Organização das Nações Unidas e o Ministério da Saúde brasileiro já consideram as fake news uma questão de saúde pública. Não as produza. Não as compartilhe. Averigue antes de passar adiante. Fazer ou promover fake news é mentir. Não faça parte dessa doença.

  • Kátia Cubel, jornalista, é diretora de Comunicação e Relacionamento da Engenho Comunicação, mestranda em Neuromarketing, analista de redes sociais e marketing digital, palestrante e instrutora de comunicação. É presidente do Prêmio Engenho de Comunicação – O Dia em que o Jornalista Vira Notícia.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações