Camisa 10 do Brasil, brasiliense Victoria tem 2019 quase perfeito

Campeã da Libertadores, Paulistão e vice do Brasileirão pelo Corinthians, a jogadora marcou seu primeiro gol pela Seleção e sonha com Tóquio

Arquivo pessoal

atualizado 22/12/2019 18:19

Victoria Albuquerque terminou 2019 de uma forma “quase perfeita”, como ela mesma define. Conquistou o título da Libertadores, do Paulistão e ainda teve suas primeiras convocações pela Seleção Principal e marcou seu primeiro gol com o número 10 da amarelinha.

Além dos títulos coletivos que a camisa 17 do Timão venceu ao lado das companheiras, Victoria ainda foi premiada com troféus individuais pelo futebol apresentado nas competições que disputou: melhor meio-campista e revelação do Brasileirão Feminino; artilheira, melhor atacante e craque do Paulistão Feminino.

0

Ela não imaginava que a temporada seria da forma que foi, quando deixou o Minas Icesp e aceitou mudar-se para São Paulo. “Eu sempre quis jogar num time tão forte quanto o Corinthians e eu estava bem otimista apesar de saber que seria um desafio muito grande pra mim.”

Com contrato renovado para até o final de 2020, ela tem sede de mais. “(Espero) Ser ainda melhor. Bater mais recordes, dar muita felicidade pro torcedor e beliscar uma vaga nas Olimpíadas.”

Os passos dados em busca do tão sonhado “rumo à Tóquio” — cidade que irá sediar os Jogos Olímpicos do ano que vem — começaram quando Pia Sundhage a convocou no lugar de Marta em agosto. Com a sueca, ela fez seu primeiro gol na equipe principal e enxergou as mudanças que o futebol feminino brasileiro precisou passar para voltar a triunfar, participando ativamente dessa nova Era.

“Ela (Pia) tem as pessoas corretas do lado dela, ela sabe o caminho do sucesso, tem títulos na carreira dela que, com certeza, ela sabe como conseguir de novo. Ela é muito detalhista. A gente percebe muito no jeito que ela se relaciona com nós, que ela nos corrige sem medo e aconselha sem medo também.”

Sobre o gol marcado na vitória do Brasil contra o México no último dia 15 (dezembro), por 4 x 0, ela relatou ter acabado com uma ansiedade que a perturbava. “Até pouco tempo antes eu achei que eu não iria conseguir jogar esses últimos dois jogos por conta de uma mini-lesão que eu tive no pé. Entrar no jogo e conseguir marcar um gol da forma que foi, na velocidade que foi é muito importante pra mim. Espero que seja o primeiro de muitos.”

Vídeos
Últimas notícias