*
 

Acompanhar a história de Maria – interpretada brilhantemente por Alice Wegmann, em Onde Nascem os Fortes, supersérie da Rede Globo – é conhecer uma heroína destemida em busca de justiça pelo desaparecimento do irmão, Nonato (Marco Pigossi). Encarar os homens poderosos do sertão exigiu da atriz preparação física para as cenas de fuga, sequestro e andanças de bike, em que “come poeira” na estrada.

“Eu fiz oito anos de ginástica olímpica. Então, já tenho um histórico de atleta. Eu treinava sete horas por dia. E em todas as cenas, todos os dias, sem exceção, a gente aquece o corpo. Eu fico dando socos no ar. Como já lutei boxe na vida real, aqueço assim”, revela.

Apesar de ter preparo físico, Alice sofreu as consequências de tanto esforço. “A Maria é uma personagem que exigiu muito de mim. Fiquei internada duas vezes quando estava no sertão. Eu tive dengue e depois uma estafa. Foi tão intenso! E imaginar que são 53 capítulos nessa intensidade! Em nenhum momento a Maria relaxa. Não há um momento dela relaxada. É tudo muito, o tempo tudo. Já são sete meses seguidos nesse trabalho”, conta.

Contudo, os obstáculos só fizeram fortificar a atriz na composição da personagem. “Eu acho que a gente tentou trazer verdade para tudo. Não só eu. O ambiente em que o Zé Villamarim (diretor) colocou a gente – assim como todos os outros diretores da equipe dele –, tudo o que aconteceu no dia a dia, o hotel que escolheram para a gente ficar, tudo gerou uma grande imersão e nos ajudou. O fato de termos ficado cinco meses no sertão foi muito importante para que eu construísse a Maria”, finaliza.