Petra Costa critica Bolsonaro: “Quer impor fascismo tropical”

A cineasta brasileira, que está indicada ao Oscar 2020, assinou duro artigo no The New York Times

Diego Bresani/DivulgaçãoDiego Bresani/Divulgação

atualizado 24/01/2020 19:34

A cineasta Petra Costa escreveu, nesta sexta-feira (24/01/2020), um artigo com duras críticas ao presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido). O texto foi publicado no jornal The New York Times, e a diretora acusa o governo de promover uma “guerra cultural” e tentar impor um “fascismo tropical”.

Petra Costa é a diretora de Democracia em Vertigem, filme que está na disputa pelo Oscar 2020 de Melhor Documentário. O longa mostra o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) e a eleição de Jair Bolsonaro.

“Em 2016, eu entrevistei Bolsonaro sobre seus planos para o setor cultural e ele reclamou que nenhum filme brasileiro era bom o suficiente para ser premiado com uma indicação ao Oscar. Na semana passada, no entanto, ele desprezou nossa indicação dizendo ‘para quem gosta do que urubu come, é um bom filme’. Em seguida, ele admitiu não ter visto o filme, mas isso não impediu que a legião de trolls que o seguem nas redes sociais de papaguear a acusação de que o filme era fake news”, escreveu Petra.

No artigo, Petra também reclama dos ataques que Bolsonaro costuma disparar contra a imprensa: “É interessante que Lügenpresse, ou ‘imprensa mentirosa’, foi um slogan amplamente usado na Alemanha durante o terceiro Reich para descreditar qualquer jornalista que discordasse da posição do governo”.

Por fim, Petra Costa fala que não “há luz no fim do túnel desta guerra cultural que procura censurar os valores liberais e progressistas e desconstruir a verdade para impor um fascismo tropical”.

“Como aponto em Democracia em Vertigem, a elite se cansou do jogo da democracia. A história do nazismo mostra que as elites que se calaram diante do avanço do autoritarismo acabaram sendo engolidas por ele. A extinção é o preço da omissão”, conclui a diretora.

Últimas notícias