metropoles.com

Um dos maiores invasores de terras do DF é preso pela Polícia Civil

Homem é considerado de altíssima periculosidade e cobrava entre R$ 50 e R$ 100 de taxa em terra ocupada irregularmente em São Sebastião

atualizado

Compartilhar notícia

PCDF/Divulgação
prisão5
1 de 1 prisão5 - Foto: PCDF/Divulgação

O homem, considerado pela Polícia Civil como um dos maiores invasores de terras públicas do Distrito Federal, foi preso em São Sebastião. Alexandre Luiz Xavier de Almeida, 49 anos, é apontado como líder da quadrilha investigada pela PCDF e considerado um criminoso de altíssima periculosidade.

Segundo os investigadores, o homem acumula mais de 40 registros policiais, quase todos relacionados à disputa, invasão e loteamento de terras. A operação, concluída na noite de quinta-feira (25/04/2019), é da Delegacia Especial de Proteção ao Meio Ambiente e à Ordem Urbanística (Dema) e foi batizada de Grito da Terra.

Além de Alexandre, outros quatro integrantes da associação criminosa foram presos. O líder responde por homicídio, tráfico de drogas e roubo nos estados de Minas Gerais e Goiás.

0

 

O grupo, segundo a PCDF, atuava principalmente em São Sebastião. Os acusados extorquiam os moradores da região do Pinheiral, sob o argumento de que as terras, que são públicas e localizadas na Área de Proteção Ambiental do Rio São Bartolomeu, lhes pertenciam.

De acordo com a delegada-chefe-adjunta da Dema, Mariana Araújo Almeida, trata-se de um acampamento vinculado a alguns movimentos de luta pela reforma agrária. “Os suspeitos se diziam líderes, tomavam frente da situação e expulsavam as pessoas do local. Eles não atuavam com a venda de lotes, mas no assentamento de grupos relacionados a eles e depois passavam a extorquir pessoas ao cobrar taxas aleatórias para que os moradores pudessem permanecer ali.”

As investigações apontam que cerca de 200 pessoas ocupavam a área e as taxas mensais variavam de R$ 50 a R$ 100. A delegada de polícia da Dema Fernanda Lopes, responsável por conduzir as investigações, explicou que a maior parte dos componentes do grupo tem diversas passagens por outros crimes.

“Pai”
“Chama a atenção o fato de que, fora o líder, os demais integrantes da associação têm pouca idade. O Alexandre tem o hábito de aliciar menores para praticar os crimes com ele”, afirmou a delegada.

Ainda de acordo com Fernanda, os outros envolvidos na quadrilha possuíam verdadeira adoração pelo líder. “Chamados de ‘capangas’ do Alexandre, eles o chamavam de pai, embora ele não seja o pai biológico de nenhum deles. Todos seguiam seus passos, com características violentas, eles agiam com bastante agressividade”, acrescentou.

“Já foi realizada perícia no local e pôde-se constatar danos ambientais inestimáveis para a unidade de conservação.” Os suspeitos foram presos na chácara Grito da Terra Aguilhada, dentro da “toca” onde o líder residia. Os policiais também encontraram, durante a operação, uma motocicleta roubada.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comDistrito Federal

Você quer ficar por dentro das notícias do Distrito Federal e receber notificações em tempo real?

Notificações