metropoles.com

União não dá “retorno positivo” para aumento na PCDF, diz Casa Civil

Segundo o secretário Sérgio Sampaio, resposta do Planejamento não ampara qualquer iniciativa de mais repasse do governo federal

atualizado

Compartilhar notícia

Michael Melo/Metrópoles
1 de 1 - Foto: Michael Melo/Metrópoles

Ainda sustentando o discurso de insuficiência financeira para conceder aumento aos servidores, o GDF tenta resolver, com apoio da União, o perrengue enfrentado pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF). A corporação requer equiparação com a Polícia Federal, que angariou reajuste de 37%, dividido em três parcelas. A primeira resposta do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, porém, não foi esperançosa, segundo o secretário da Casa Civil, Sérgio Sampaio.

Ao Metrópoles, ele afirmou não ter recebido “retorno positivo que amparasse qualquer iniciativa” nesse sentido. Para turbinar os contracheques dos profissionais, a ideia seria receber um montante mais gordo via Fundo Constitucional do Distrito Federal (FCDF).

Recursos para manter órgãos da segurança pública da capital da República, a exemplo da PCDF, são repassados pelo governo federal por meio do FCDF. A possibilidade seria viabilizada mediante aumento de uma hora diária na carga horária de trabalho da categoria. Assim, os policiais poderiam ter acréscimo de 14,3% na remuneração.

Falaram: ‘Olha, nós temos aqui algumas divergências técnicas da nossa equipe, [a qual apontou] que não seria possível. Mas nós vamos avaliar e, qualquer coisa, voltaremos a conversar’.

Sérgio Sampaio, secretário da Casa Civil do Distrito Federal

Na primeira entrevista de 2018, concedida ao Metrópoles em 10 de janeiro, o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) havia detalhado a proposta levada ao órgão: “Ampliar, em uma hora, a jornada de trabalho dos policiais civis, para igualar com a dos policiais federais e, em contrapartida, o governo nos passaria o superávit do Fundo Constitucional”. Naquela época, o socialista ainda aguardava retorno da União.

Sérgio Sampaio pondera, no entanto, saber ser de responsabilidade do Distrito Federal dar o tão aguardado reajuste ao funcionalismo local. “Não queremos passar a bola para o governo federal, mas, como muitos parlamentares disseram que a União tinha uma saída pronta, fomos lá”, explica. 

Em nota, o Ministério do Planejamento afirmou não ser de competência dele a negociação com servidores do GDF. Esclareceu, ainda, que o montante do FCDF é corrigido anualmente, pela variação da receita corrente líquida da União. “Assim sendo, não é correta a informação de que o Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão decidiu não aumentá-lo”, complementou.

Atualmente, o Fundo Constitucional acumula R$ 13.516,7 bilhões, segundo o órgão. Questionada sobre as conversas com os representantes do GDF, a assessoria do ministério disse que “não poderia ajudar”.

Ainda na expectativa
Um dos articuladores da negociação para acatar o pleito da PCDF é o deputado distrital Agaciel Maia (PR), líder do governo na Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF). De acordo com o parlamentar, caso se estique o expediente em uma hora, seria possível aumentar os vencimentos em 14,3%. “Nós precisamos de um sinal verde do ministro do Planejamento e que os R$ 240 milhões do FCDF, que não foram usados, possam ser destinados para dar o aumento”, explica.

O distrital, no entanto, tem uma visão mais otimista sobre o caso. De acordo com ele, o senador Romero Jucá (MDB-RR) se prontificou, em reunião antes do Carnaval, a reforçar o pedido ao ministro do Planejamento, Dyogo Henrique de Oliveira, e ao presidente da República, Michel Temer. O retorno deve ser dado na próxima semana, estima Agaciel Maia.

Insatisfação
O presidente do Sindicato dos Delegados da Polícia Civil do Distrito Federal (Sindepo-DF), Rafael de Sá Sampaio, acredita faltar vontade política do governador para resolver o impasse com a PCDF. “Muitas outras vezes ficamos otimistas com promessas – inclusive do Sérgio Sampaio – que nunca se concretizaram. Chega a ser inocência acreditar nesse tipo de possibilidade que é colocada pelo governo.” 

A revolta é geral. As informações das unidades é de que os policias querem fazer paralisações de qualquer forma. Os delegados não conseguem tocar a atividade policial sozinhos.

Rafael de Sá Sampaio, presidente do Sindepo-DF

Para o presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Distrito Federal (Sinpol-DF), Rodrigo Franco, o Executivo local faz jogo de cena. “O Fundo Constitucional vai receber R$ 600 milhões a mais. O governo pegou mais R$ 1,5 bilhão do Instituto de Previdência dos Servidores (Iprev). Dinheiro tem, mas sempre há uma desculpa”, critica. 

Na próxima terça-feira (20/2), os agentes se reúnem em mais uma assembleia geral com indicativo de greve. No dia 7 de fevereiro, eles decidiram paralisar as atividades, mas deixaram para o próximo encontro a definição de quanto tempo ficarão de braços cruzados. Segundo Rodrigo Franco, a categoria está indignada com a falta de avanço nas negociações.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comDistrito Federal

Você quer ficar por dentro das notícias do Distrito Federal e receber notificações em tempo real?

Notificações