EUA registra primeira morte relacionada ao uso de cigarro eletrônico

Também conhecido como vape, dispositivo é associado a diversas doenças pulmonares e provoca sintomas como tosse, tontura e convulsões

atualizado 26/08/2019 22:07

licsiren/istock

Erroneamente considerado por muitos como uma alternativa ao cigarro convencional, o cigarro eletrônico pode ser mais perigoso do que aparenta. Na última sexta-feira (23/08/2019), nos Estados Unidos, uma pessoa morreu após sofrer uma doença pulmonar relacionada ao e-cigarette.

Em nota, o Departamento de Saúde Pública de Illinois (IDPH) informou a morte do paciente, que havia sido hospitalizado com uma “doença respiratória severa” após o uso de cigarros eletrônicos. O sexo da vítima, bem como a idade, não foi divulgado.

Segundo o IDPH, já foram confirmados 22 casos de doenças respiratórias de usuários de vapes em Illinois. Todos os pacientes haviam utilizado e-cigarette dias ou semanas antes da manifestação de sintomas como tosse intensa, falta de ar e cansaço, além de vômitos e diarreia. Outros 12 casos estão sendo investigados.

Até agora, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) estima 150 possíveis casos de doenças pulmonares causadas pelos vapes em 15 estados norte-americanos.

Ainda não se sabem exatamente os danos que os cigarros eletrônicos podem causar à saúde, mas as pesquisas atuais não são animadoras. Um estudo da Universidade da Pensilvânia descobriu, por exemplo, que um único trago em cigarro eletrônico pode danificar vasos sanguíneos, mesmo que o líquido presente nele não contenha nicotina.

Apesar de possuir menos substâncias tóxicas do que o cigarro convencional, a opção eletrônica também contém cancerígenos. Outro equívoco é acreditar que o dispositivo pode ser usado como uma maneira para deixar de fumar. Os cigarros eletrônicos possuem elevados níveis de nicotina, a substância viciante do cigarro.

Outra pesquisa revelou que jovens adeptos do cigarro eletrônico têm mais chances de fumar maconha.

Últimas notícias