Posto que fez estacionamento no Eixinho precisava de outras licenças, diz autorização do DER

O Metrópoles teve acesso ao documento emitido pela autarquia. DER coloca como responsabilidade do empresário ter as licença

atualizado 30/09/2020 19:12

Estacionamento posto da 109 SulIgo Estrela/Metrópoles

A permissão concedida pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER-DF) ao posto de gasolina que construiu um estacionamento no Eixinho Sul ressalta ser “de responsabilidade do interessado todas as demais autorizações e providências que se fizerem necessárias para a execução e operação do empreendimento”. O Metrópoles teve acesso ao documento.

O texto emitido pela autarquia, intitulado Autorização Provisória, autoriza “a implantação de um estacionamento na faixa de domínio da Rodovia DF-002”. Porém, alerta que as outras providências devem ser tomadas pelos empresários antes da construção.

Conforme informou o designado a falar pela obra, Carlos Alberto Paulo, o DER-DF foi procurado e deu viabilidade ao projeto. No entanto, a reportagem do Metrópoles apurou que as vagas foram feitas sem passar pelo crivo da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh), da Administração Regional do Plano Piloto ou do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan-DF). Os órgãos deveriam ter sido consultados.

Veja documento:

Autorização Precária DER by Saulo Araujo on Scribd

O Metrópoles mostrou o estacionamento em reportagem publicada nesta quarta-feira (30/9) e provocou forte polêmica entre especialistas, empresários e defensores do tombamento da capital.

Veja imagens do local:

0
Demais órgãos são contra

Um dos responsáveis pela preservação da ordem urbanística do Plano Piloto, o Iphan-DF diz ter apresentado ao posto uma notificação para que mostre os documentos. Segundo o instituto, foi entregue um Termo de Permissão de Uso expedido pelo DER-DF.

“Esse e os demais documentos (projeto aprovado nos órgãos competentes, licença específica e atestado de conclusão, conforme Código de Edificações) foram solicitados ao proprietário para auxiliar no esclarecimento dos fatos. O notificado tem cinco dias para responder”, explicou.

No entendimento do Iphan, apesar de o DER-DF ser o órgão responsável pelo Eixão, o instituto deveria, nesse caso, ter sido consultado. Dessa forma, o caso foi levado ao Grupo Técnico Executivo (GTE), composto também pelas secretarias de Desenvolvimento Urbano e Habitação e de Cultura e Turismo, além da DF Legal.

Mesmo ainda em fase de apuração, o instituto demonstrou ser contra a obra realizada. “Causa-nos preocupação a possibilidade de proliferação de estacionamentos em área pública ao longo dos canteiros dos Eixinhos (onde, como é sabido, há vários postos de combustíveis), sobretudo se ocorrer sem o necessário planejamento”, apontou.

Últimas notícias