Na CLDF, Ibaneis Rocha promete não radicalizar nas privatizações

O governador do Distrito Federal participou nesta quinta-feira (01/08/2019) da sessão de abertura dos trabalhos do segundo semestre da Casa

Hugo Barreto/MetrópolesHugo Barreto/Metrópoles

atualizado 01/08/2019 21:14

A Câmara Legislativa (CLDF) retomou os trabalhos nesta quinta-feira (01/08/2019) com a presença do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), que fez questão de participar da primeira sessão deste segundo semestre. Em discurso aos deputados distritais, o chefe do Executivo local elencou os feitos de sua gestão, agradeceu o apoio dos parlamentares e falou a respeito de temas polêmicos, como a privatização de estatais.

O titular do Palácio do Buriti prometeu não radicalizar o debate, mas enfatizou que precisa criar condições para as empresas deixarem de ser deficitárias. Nos últimos meses, o emedebista tem defendido a privatização da CEB Distribuição – subsidiária da Companhia Energética de Brasília (CEB) –, da Companhia de Saneamento Ambiental (Caesb) e da Companhia do Metropolitano (Metrô-DF). “É importante manter os empregos, porém é mais importante dar resultados para a população, que é quem paga a conta”, destacou.

“Estamos abertos para qualquer tipo de discussão que precise ser feita. Não existe governo de oposição, de direita ou de esquerda. Temos um governo do Distrito Federal e estou muito feliz com o que a Câmara Legislativa tem feito para ajudar a construir esse debate”, completou Ibaneis. “A política que devemos fazer é com liberalismo, para que o capital possa chegar a quem realmente precisa.”

Sobre a pauta “bomba”, o presidente da CLDF, Rafael Prudente (MDB), afirmou que o primeiro movimento deverá ser feito pelo governador, com a apresentação dos números e das propostas, a fim de que a população possa decidir se é favorável ou não aos modelos. “Vamos fazer o debate e o governo vai ter que sinalizar, por exemplo, se essas privatizações vão melhorar lá na ponta: se o preço vai baixar e se o serviço vai melhorar realmente”, disse.

Parcerias

Com tom harmonioso, Ibaneis agradeceu o apoio da Casa em projetos considerados importantes, como o que criou o Instituto de Gestão da Saúde (Iges). “Graças a essa votação, temos seis UPAs [unidades de pronto atendimento] totalmente reformadas, 2,5 mil novos servidores e os hospitais geridos reformados”, frisou.

O governador também aproveitou para anunciar algumas medidas – entre as quais, a construção de duas unidades de saúde dentro do Complexo Penitenciário da Papuda e o envio à Câmara Legislativa do projeto que cria o serviço voluntário de agentes penitenciários.

Ele ainda falou da venda de imóveis públicos pertencentes às secretarias de Saúde e Educação. “Esses terrenos podem muito bem ser desafetados e nós podemos colocá-los à venda e vincular essas receitas para a construção e reforma das escolas, onde realmente são necessárias”, disse.

Outra iniciativa é a liberação “de mais de R$ 10 milhões” às escolas públicas por meio do Programa de Descentralização Administrativa e Financeira (Pdaf). “Isso dará mais autonomia para elas. Ações como essa só são possíveis por causa dessa união do Executivo com o Legislativo”, salientou. Ibaneis também afirmou que cogita colocar à venda terrenos pertencentes às secretarias e que ainda não foram ocupados. A ideia é investir o valor obtido em melhorias para Educação e Saúde.

Deputados no Executivo

Na saída do plenário, o governador defendeu a criação da Secretaria da Pessoa com Deficiência e a nomeação do deputado distrital Iolando Almeida (PSC) para o cargo. De acordo com o chefe do Executivo local, a proposta ainda está em formatação e não tem prazo para acontecer.

Sobre a permanência de Daniel Donizet (PSDB) na CLDF, que chegou a assumir a Administração do Gama, Ibaneis afirmou que a decisão foi do próprio parlamentar. “Ele viu que era mais importante ficar aqui, mas deixou muito coisa encaminhada, como o novo asfaltamento e a iluminação de algumas vias”, pontuou.

Últimas notícias