metropoles.com

Rollemberg sanciona lei que facilita liberação de Habite-se, mas taxa pode ser repassada a consumidores

Novas regras substituem a exigência do Relatório de Impacto de Trânsito (RIT) por contrapartida financeira dos empreendedores

atualizado

Compartilhar notícia

Caroline Bchara/Metrópoles
RIT, Rodrigo Rollemberg, relatório de impacto  de trânsito
1 de 1 RIT, Rodrigo Rollemberg, relatório de impacto de trânsito - Foto: Caroline Bchara/Metrópoles

O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) sancionou, nesta quinta-feira (17/3), a Lei do Polo Gerador de Viagens (PGV), que substituirá o Relatório de Impacto de Trânsito (RIT), um dos requisitos necessários para a emissão do Habite-se. Com a lei, os empreendimentos passam a pagar uma contrapartida financeira ao GDF e a emissão do documento de liberação da obra está condicionada apenas ao pagamento prévio da taxa, que varia de 0,5% a 1,5% do custo estimado da construção. Os prédios públicos estão isentos e não pagam a cota, uma vez que são responsáveis pelas edificações.

Se, por um lado, o governo comemora, por outro, pode sobrar para a população. “Todo custo é contabilizado na hora de se calcular o valor a ser cobrado. Qualquer taxa extra, com certeza, será repassada“, disse Paulo Muniz, Presidente da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário do Distrito Federal (Ademi-DF), em entrevista ao Metrópoles no dia 16 de dezembro do ano passado, ao comentar as novas regras.centro administrativo

Hoje, segundo o Palácio do Buriti, o Distrito Federal tem cerca de 1,2 mil imóveis parados que aguardam a liberação do RIT. Tramitam, ainda, 77 processos que esperam aprovação para o início de obras. “A lei é moderna e com certeza trará agilidade aos processos”, acrescentou o secretário da Casa Civil, Sérgio Sampaio. A regulamentação da lei ocorre em até 60 dias e, até lá, será cobrado o valor mínimo para todos os PGVs.

Os empreendimentos que já estão em execução poderão escolher entre elaborar o RIT e se responsabilizar pelas obras ou pagar a contrapartida e deixar que o GDF adote as medidas necessárias. Os novos estão sujeitos à lei, que se aplica a estabelecimentos residenciais com mais de 400 vagas, de uso misto com mais de 300 ou com outras finalidades e mais de 200.

O RIT sempre me pareceu pouco inteligente, uma vez que era individual. Agora, o empresário paga ao poder executivo, que realizará estudos, obras e projetos com uma visão global. Isso melhorará a mobilidade nas regiões do DF.

Rodrigo Rollemberg

Centro Administrativo
De acordo com o secretário de Gestão do Território e Habitação, Thiago Andrade, a medida não engloba os trâmites necessários para a ativação do Centro Administrativo de Taguatinga.

“O Centro Administrativo já tem medida mitigadora (que previne impactos ambientais) e RIT expedidos. Ele não será abarcado por esta nova lei”, garantiu o secretário. No entanto, o espaço ainda não está em funcionamento.

“O PGV parte de um grande estudo feito com base na legislação de outras partes do país e das críticas de especialistas ao antigo RIT”, explicou Andrade. “O que demorávamos de um a dois anos para aprovar será feito em cerca de 15 dias com a lei”, explicou.

“Pela primeira vez, o GDF assume prazo para as análises, que é de 30 dias. Caso o órgão não se manifeste, considera-se aprovado o projeto”, explicou o advogado especialista em direito urbanístico Mateus Oliveira, que participou da elaboração do projeto.

Rafaela Felicciano/Metrópoles
Norma vai regulamentar o número de vagas

Contrapartida
Para o cálculo da Contrapartida de Mobilidade Urbana serão considerados localização, área construída, natureza da viagem e número de viagens que a edificação poderá gerar. O valor vai de 0,5% a 1,5% do custo estimado do empreendimento, mas esse cálculo depende de legislação específica de uso e ocupação do solo, que ainda não está definida. Enquanto isso não ocorrer será cobrado o valor mínimo.

A taxa poderá ser parcelada em até 18 meses com correção monetária, mas esse quesito ainda depende de regulamentação à parte. A nova lei, portanto, tem eficácia imediata para os que pagarem a contrapartida à vista.

Os critérios para identificar quais são as edificações classificadas como polos geradores de viagens (PGVs) também mudam. A lista passa a ser simplificada e divide os empreendimentos em dois tipos.

Para os que têm mínimo de vagas de estacionamento estabelecido por legislação específica, entram na classificação de PGV: os edifícios habitacionais com pelo menos 400 vagas; os mistos que tenham mais de 50% destinado à habitação e mínimo de 300 vagas; e todos os que tenham mínimo de 200 vagas.

Quando não houver a norma, se incluem: os edifícios habitacionais com pelo menos 25 mil metros quadrados; os mistos com mais de 50% destinado à habitação e mínimo de 15 mil metros quadrados; os destinados para comércio, serviços, saúde e educação com 3.750 metros quadrados; e os postos de combustíveis e lubrificantes. As metragens correspondem às áreas construídas. (Com informações da Agência Brasília)

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comDistrito Federal

Você quer ficar por dentro das notícias do Distrito Federal e receber notificações em tempo real?

Notificações