metropoles.com

Professor do GDF é preso pela Deam por perseguir e ameaçar advogada

Após perceber que o servidor era possessivo e controlador, a advogada decidiu colocar um ponto final na relação, mas o homem era obsessivo

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução
homem sorrindo na piscina
1 de 1 homem sorrindo na piscina - Foto: Reprodução

Um professor da rede pública de ensino do Distrito Federal foi preso preventivamente por perseguir uma advogada há mais de três meses. Equipes da Delegacia Especial de Atendimento à Mulher I (Deam I) cumpriram o mandado de prisão, nessa segunda-feira (21/8), em nome do servidor da Secretaria de Educação Paulo Rogério de Oliveira. Ele responderá pelo crime de stalking.

De acordo com a vítima, que terá a identidade preservada, a relação com o educador começou em julho de 2022, quando se conhecerem por meio de um aplicativo de relacionamento. Após perceber que o funcionário público era possessivo e controlador, a advogada decidiu colocar um ponto final na relação, em setembro do mesmo ano.

Já em fevereiro deste ano, o casal voltou a se reaproximar, e o professor passou a morar na casa da então companheira. Após quatro meses, começaram as ameaças. Depois do rompimento, a advogada precisou exigir que o agressor parasse de procurá-la, mandar mensagens e de se aproximar de amigos e familiares, o que não ocorreu.

Medidas protetivas

Acuada, a mulher procurou a delegacia e requereu medidas protetivas de urgência para tentar se resguardar e evitar as investidas do docente. A ordem judicial exigia que o agressor mantivesse distância em um limite mínimo de 300 metros e proibição de contato por qualquer meio de comunicação.

Mesmo assim, o homem chegou a quebrar e descumprir as medidas pelo menos duas vezes, o que respaldou o pedido de prisão preventiva expedido pela Justiça. Na última sexta-feira (18/8), o professor tentou obter informações sobre a rotina da advogada em um edifício onde ela mantém escritório. O fato chamou a atenção de uma testemunha, que entrou em contato com a advogada.

No mesmo dia, o docente, com ordem expressa da Justiça em manter distância, tentou procurar pela advogada no prédio onde ela mora. Câmeras de segurança chegaram a flagrá-lo na porta da casa da vítima, às 6h58. Após ser preso pelas equipes da Deam, o servidor da Educação foi levado para a carceragem do Departamento de Polícia Especializada (DPE).

Secretaria de Educação

A Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal informa em nota que “vai apurar o caso por meio de processo administrativo, sigiloso, no âmbito da Corregedoria e que adotará todas as medidas cabíveis nos termos da Lei Complementar nº 840/2011”.

A pasta afirma ainda que “eventuais processos administrativos autuados contra servidores correm em sigilo” e que “repudia qualquer tipo de violência e reforça o compromisso e empenho na apuração dos fatos”.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações