Os bastidores da cobertura policial de um jeito que você nunca viu

Patricinha do golpe é condenada por estelionato ao enganar empresários

Segundo as vítimas, em um dos golpes, Caroline foi a responsável por intermediar a locação de uma mansão em São Miguel do Gostoso, no RN

atualizado 07/09/2022 14:44

mulher de calcinha Reprodução

A comerciante Caroline Alves de Morais, 32 anos, conhecida como a Patricinha do Golpe, foi condenada em primeira instância a quatro anos de prisão por estelionato. A mulher, que deve responder inicialmente em regime aberto, foi alvo de investigação da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), por lesar ao menos cinco empresários, amigos e um neurocirurgião. O caso foi revelado pela coluna Na Mira, em novembro do ano passado.

De acordo com a sentença, Caroline praticou o crime de estelionato por quatro vezes. “É recomendável que a denunciada cumpra penas alternativas ao invés de ser segregada e, presentes os requisitos legais dispostos no art. 44, do Código Penal, substituo a pena privativa de liberdade por duas penas restritivas de direito, cujo cumprimento se dará em igual período da pena de reclusão”, sentenciou o juiz Márcio Evangelista.

O magistrado ressaltou, ainda, que a Patricinha do Golpe poderá recorrer da decisão em liberdade. “A denunciada respondeu ao processo em liberdade e não há qualquer alteração fática apta a justificar sua segregação cautelar neste momento processual”, justificou. A defesa de Caroline argumentou que a situação retratada nos autos se trata de simples descumprimento contratual e ausência de dolo de estelionato.

Veja fotos da golpista:

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
0

O caso

Segundo vítimas de um dos golpes, Caroline foi a responsável por intermediar a locação de uma mansão em São Miguel do Gostoso, no Rio Grande do Norte, que seria ocupada pelos contratantes durante a semana do Réveillon do ano passado.

Dois dos homens enganados revelaram à coluna que a agora condenada forjou o contrato de aluguel da casa, no valor de R$ 48 mil, e embolsou o sinal de 50%. A negociação, de acordo com as vítimas, começou em maio do ano passado, quando o grupo de amigos se reuniu para planejar uma viagem para as festas de fim de ano.

Golpe em amigas

A coluna também conversou com ex-amigas da golpista, que perderam dinheiro após terem dados de cartões de crédito copiados pela estelionatária. As informações eram obtidas em festas, quase sempre em mansões localizadas em praias paradisíacas do litoral brasileiro.

A analista de dados Evelyn Ribeiro, 31 anos, é uma das vítimas. Ela foi surpreendida com uma fatura de R$ 40 mil, relacionada a compras de roupas e artigos de luxo em algumas das grifes mais caras do mundo. “A Caroline foi esperta, pois copiou os dados do meu cartão no Réveillon e passou a fazer compras quatro meses depois, para que eu não desconfiasse”, disse.

Veja vídeo da Patricinha do Golpe:

Presente caro

A analista contou que as compras foram feitas em sequência e sempre em valores altos. “Eu havia feito esse cartão para usar em casos de emergência, como algum contratempo durante as viagens. A Caroline sempre se mostrou muito solícita e predisposta a ajudar a organizar as viagens, passeios e eventos. Depois que os golpes vieram à tona é que muita gente está percebendo que perdeu dinheiro”, explicou.

Parte do montante furtado dos amigos era investido em presentes para agradar namorados. Um dos mimos de luxo, comprado na Mont Blanc, foi pago com o cartão de Evelyn, até então amiga da golpista. “Ela sempre viveu uma vida que não era a dela. Chegava a dizer que eu deveria me vestir melhor e comprar roupas em lojas mais caras. Mas ela fazia isso com o dinheiro dos outros”, contou.

Segundo Evelyn, que mora em São Paulo, a estelionatária tinha o costume de viajar para a capital paulista apenas para frequentar baladas sofisticadas. No entanto, queria comer de graça nos restaurantes mais caros da cidade, à custa dos amigos. “Em uma oportunidade, ela pediu cordeiro, um prato que custava cerca de R$ 300, mas nunca pagava. As desculpas eram muitas, mas ela sempre tirava o corpo fora na hora de pagar as despesas. Nem o Uber ela pagava, e dava uma de milionária”, reclamou.

Cartão do marido de amiga

Um neurocirurgião também denunciou ter sido vítima da Patricinha em abril do ano passado. Ele explicou que Caroline era colega de sua esposa e costumava frequentar a sua residência. O médico narrou que a mulher pegou as informações de seu cartão de crédito da bandeira Visa e fez uma assinatura em um clube de viagens. A suspeita foi confirmada pois, ao entrar em contato com o clube de milhagens, via telefone, um funcionário informou o nome de Caroline Alves de Morais, como sendo a titular do benefício, por meio do número do cartão do cirurgião.

A vítima gravou a ligação e entregou à PCDF, que anexou o áudio ao inquérito. O homem também identificou que a golpista fez compras com seu cartão de crédito Mastercard. Ele contou ter ligado na operadora do cartão e ter sido informado de que as compras teriam sido feitas pela mãe de Caroline. O Metrópoles, contudo, não teve acesso aos valores debitados.

Mais lidas
Últimas notícias