metropoles.com

Falso policial dizia para mulheres que estava ocupado “caçando Lázaro”

O golpista voltava para casa e tomava remédio para carrapato, além de entregar a farda toda suja e cheia de carrapicho para a vitima lavar

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução
policial don juan
1 de 1 policial don juan - Foto: Reprodução

Se desdobrar e criar situações inusitadas faziam parte da estratégia adotada pelo ”policial Don Juan”, Samuel Carlos da Silva Batista, 31 anos. O golpista tinha várias fardas e uniformes das polícias militares do DF, de Goiás e de policial penal goiano para iludir as vítimas. Mas o factoide não ficava apenas na indumentária e o estelionatário amoroso inventava histórias mirabolantes para ganhar tempo e conseguir administrar, ao mesmo tempo, tantos relacionamentos.

Segundo uma empresária de Ceilândia, que se relacionou com Samuel durante dois anos e perdeu R$ 26 mil, o falso policial incorporava o personagem e todos que o cercavam, a exemplo de amigos e familiares, acreditavam que ele integrava as forças da segurança pública.

“Amigos há mais de oito anos acreditavam, de fato, que ele era policial. Ele não enganava apenas as namoradas, iludia a todos”, disse a vítima.

De acordo com a ex-namorada, o golpista passava dias sem aparecer com a desculpa que estava participando da caçada ao serial killer Lázaro Barbosa que ocorria no Entorno do DF e durou 20 dias. “Ele é tão picareta que chegava ao ponto de voltar para casa e tomar remédio para carrapato, além de entregar a farda toda suja e cheia de carrapicho pedindo para que eu lavasse”, desabafou a vítima.

Veja fotos do falso policial Don Juan:

0
Os golpes

Para cada personagem encenado, Samuel Carlos da Silva Batista, 31 anos, usava diferentes fardas. Apenas uma das vítimas amargou um prejuízo de R$ 90 mil. Nas delegacias do DF, são pelo menos quatro ocorrências contra o homem. A Justiça chegou a expedir medida protetiva para uma das vítimas.

Quando uma das enganadas desconfiou, a rede de mentiras foi desmantelada e uma enxurrada de ocorrências registradas em diferentes delegacias da Polícia Civil do DF. O modus operandi do estelionatário era sempre o mesmo: conhecia as vítimas por meio de um aplicativo de relacionamento – normalmente o Tinder – ou por intermédio de amigos em comum. Sedutor, o larápio logo passava a fazer parte da vida delas.

Depois de alguns meses de namoro, o golpista colocava em prática a estratégia para arrancar dinheiro. Apesar de supostamente integrar as fileiras da PMDF ou da PMGO, o estelionatário fingia estar com as contas bancárias bloqueadas. “Ele ganhava a confiança, era carinhoso, amoroso, e fazia todas as vontades. Depois de algum tempo, começava a pedir R$ 2 mil, R$ 3 mil, e até carros”, contou uma empresária ouvida pela coluna que passou dois anos namorando o golpista e perdeu R$ 26 mil.

Veja momento em que namorada filma flagrante de traição de falso policial do Tinder:

Quer ficar ligado em tudo o que rola no quadradinho? Siga o perfil do Metrópoles DF no Instagram

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Faça uma denúncia ou sugira uma reportagem sobre o Distrito Federal por meio do WhatsApp do Metrópoles-DF: (61) 9119-8884.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?