metropoles.com

Visite os países que disputam a Copa sem sair do quadradinho

Em Brasília (DF), é possível fazer uma verdadeira imersão em outras culturas graças ao trabalho da Oceano Arquitetura em vários restaurantes

Mateus HAB/Divulgação
Castália-Metrópoles
1 de 1 Castália-Metrópoles - Foto: Mateus HAB/Divulgação

atualizado

O coração não segura mais dentro da boca, o hexa está logo ali, é o sentimento compartilhado por todos os brasileiros enquanto assistem os jogos da seleção no Mundial de futebol do Catar. Por si só, a experiência de acompanhar as partidas com familiares e amigos já é memorável, mas potencializá-la visitando espaços que lembram alguns dos países que também disputam o título máximo do esporte é definitivamente sem palavras. E melhor ainda se puder conhecer visualmente e gastronomicamente outras culturas.

Em Brasília (DF), é possível fazer esse tour gastronômico em diversos restaurantes com designs de arquitetura diferenciados, que apostam na multiculturalidade da cidade. Espaços como o restaurante Dona Lenha, na Asa Sul, com uma cozinha atrelada ao Mediterrâneo.

Contudo, para realmente transportar os clientes para o litoral do continente europeu, o know-how de cenografia da Oceano Arquitetura fez diferença. “Demos uma repaginada no espaço e retornamos à época da Dona Lenha Pizzaria, trazendo a Forneria, além de criarmos novos produtos, como um café e uma sobremesa dos Los Baristas, dando a impressão de serem novas lojas”, contou o sócio da Oceano Arquitetura, Gustavo Goes.

“Conversamos muito sobre onde queremos chegar e eles [Oceano Arquitetura] transformam em projetos. Dessa vez, pedimos para renovar a pizzaria, criando uma nova marca, mantendo o cardápio de almoço, com toda a tradição que temos”, complementa Paulo Mello Filho, Chef Executivo e franqueador do Dona Lenha e da Forneria Dona Lenha. “Como nos outros pedidos em nossa já estabelecida parceria, trouxemos a ideia e eles nos ajudaram a evoluir”, ressalta.

0

Além da Dona Lenha, vários restaurantes da cidade contam com esse olhar da empresa de arquitetura. “Nossa preocupação é o cliente do cliente. O que o cliente de quem nos procura quer encontrar”, explica Goes. Ele reforça que usa tanto registros fotográficos quanto a própria experiência para traduzir como as pessoas se sentiriam se estivessem mesmo em outros países.

“Nosso maior desafio é entender o que o cliente propõe e entender também o que o público está procurando para traduzir isso de uma forma única e característica para o estabelecimento, até para trazer bastante visibilidade para ele. Isso é o que faz com que vários dos nossos projetos sejam sucesso”, complementa Bruno Carvalho, também sócio da Oceano Arquitetura.

Carvalho cita o exemplo da padaria artesanal italiana Castália (foto em destaque), na Asa Norte. “No local, nós unimos várias operações, como um café e uma área de treinamento no subsolo, e pensamos em um espaço mais neutro, com elementos bem característicos da cultura italiana, como o azulejo verde e um forno bem decorado. O resto demos uma silenciada para não ofuscar o produto.”

Já no caso do italiano Veloce, por exemplo, a Oceano Arquitetura fez uma repaginação da marca e dos pontos de venda do Lago Sul e da Asa Norte.

0

Mudando de cultura europeia, na francesa Placid Confeitaria & Café, o grupo utilizou muitas referências gráficas para trazer a França para o Noroeste, além de molduras no teto que lembram os cafés antigos e texturas da marca.

0

Sabores do Brasil

Apesar do foco internacional, nada melhor do que conhecer ou relembrar dos sabores do Brasil. Lugares como o Café e um Chêro, nas asas Sul e Norte, onde se pode provar da deliciosa cozinha nordestina.

“Lá, nós refizemos a fachada para aprimorar a jornada do cliente, fazendo cada vez mais com que o espaço tivesse a cara do Nordeste em Brasília”, acrescenta Gustavo Goes.

“A repaginada das nossas lojas além de trazer mais visibilidade para a marca, trouxe mais identidade. O nosso DNA é de casa de taipa, aquelas do interior do Nordeste, que tem alma e traz o aconchego da família reunida”, conta João Gabriel Amaral, dono do Café e um Chêro. “O Nordeste é amplo em sua cultura e características, e os elementos utilizados na reforma ratificaram todas essas nuances. O público adorou, a clientela elogia sempre.”

Fotografia colorida com a fachada do Café é um Chêro, cafeteria com visual nordestino-Metrópoles
A fachada do Café e um Chêro foi refeita para aprimorar a jornada do cliente

E para os mineiros de sangue ou de coração, o Bitaca da Norte, na Asa Norte, traz a atmosfera de Belo Horizonte para dentro do quadradinho graças ao trabalho diferenciado da Oceano.

“Eu tinha o bar em Minas e o trabalho foi trazer a identidade do que existia lá dialogando com a nova realidade, com o público de Brasília. A equipe da Oceano entendeu a proposta e montou um projeto sem cair nas mesmices, e, mesmo assim, mantendo a minha história”, ressalta Luiz Paulo Mairink, dono do Bitaca da Norte.

“Eles são muito abertos, muito colaborativos, e me ajudaram a chegar num resultado que me atendia, de uma forma bastante funcional.” 

0

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?