Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Paulo Cappelli

YouTube remove vídeos que questionam se facada em Bolsonaro ocorreu

Documentário produzido pelo site Brasil 247, que levantava dúvidas sobre a facada em Jair Bolsonaro, foi removido pelo YouTube

atualizado 10/08/2022 14:53

Bolsonaro sofre facada em Juiz de Fora, 2018Reprodução/Redes sociais

O Youtube removeu vídeos que questionam a veracidade do atentado a faca que Jair Bolsonaro sofreu na cidade de Juiz de Fora, em 2018. Entre os vídeos deletados está o documentário que o site Brasil 247 produziu sobre o ataque contra Bolsonaro.

A remoção, segundo a plataforma confirmou à coluna, ocorreu devido a uma atualização feita nesta quarta-feira (10/8) na política de combate aos discursos de ódio do YouTube.

“Nossa política de discurso de ódio proíbe conteúdo que negue, banalize ou minimize eventos históricos violentos, incluindo o esfaqueamento de Jair Bolsonaro. O discurso de ódio não é permitido no YouTube, e removeremos material sobre o esfaqueamento de Jair Bolsonaro que viole esta política se não fornecer contexto educacional, documental, científico ou artístico no vídeo ou áudio”, afirmou o YouTube.

A plataforma também removeu o vídeo da live que Bolsonaro fez em 18 de julho com embaixadores, no Palácio da Alvorada, com mentiras sobre o sistema eleitoral brasileiro e invenções de que houve fraudes na eleição de 2014.

O YouTube já proíbe, em combate a discursos de ódios, vídeos que questionam a ocorrência do holocausto ou criam mentiras em torno do assassinato de George Floyd, nos Estados Unidos, por exemplo.

Nenhuma dessas remoções representará uma punição ao canal que a publicou, ou seja, o canal não será penalizado, já que o YouTube entende que o usuário não errou ao publicar com as regras até então vigentes.

Será dada uma tolerância de 30 dias que não derrubará o canal de quem, nesse período, publicar novos conteúdos com mentiras sobre as eleições ou questionando a facada de Bolsonaro. O conteúdo, porém, será imediatamente removido, assim que identificado pela plataforma.

Após os 30 dias de tolerância, passa a vigorar o tradicional sistema de punições do YouTube e quem publicar conteúdo considerado pela plataforma como uma violação de suas regras pode receber um alerta, ser punido temporariamente ou até ter seu canal banido definitivamente.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
Publicidade do parceiro Metrópoles 6
0

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna