metropoles.com

Prédios do museu de Santos Dumont colapsam nos 150 anos do aviador

Casa onde nasceu Santos Dumont, em Minas Gerais, passa por reformas emergenciais, mas outros prédios do museu estão com estrutura condenada

atualizado

Compartilhar notícia

Divulgação
Santos Dumont 5
1 de 1 Santos Dumont 5 - Foto: Divulgação

É crítica a situação do museu que abriga o maior acervo de Santos Dumont. Localizado na cidade de Santos Dumont, em Minas Gerais, o espaço teve a visitação suspensa devido a obras emergenciais na casa em que aviador nasceu. Outros prédios que compõem o museu estão condenados e não podem ser acessados pelo público.

O nascimento de Santos Dumont completou 150 anos no dia 20 de julho. O primeiro endereço do aviador fica na antiga fazenda Cabangu e funciona como museu desde 1975. O local abriga objetos pessoais de Santos Dumont e a mobília original da residência, além de fotos históricas e réplicas de invenções.

O museu é administrado pela Fundação Casa de Cabangu. A instituição espera reabrir a casa de Santos Dumont em 22 de outubro, após concluir as reformas que tiveram de ser feitas com urgência no local. O assoalho de madeira, a estrutura do telhado e as instalações elétricas do casebre estavam muito comprometidos.

Todas as outras edificações estão condenadas e precisarão passar por amplas reformas. Entre elas estão os pavilhões usados para exposições, a casa de máquinas da propriedade e os quiosques da fazenda. Com a interdição dos pavilhões, o museu só consegue exibir 20% de todo o acervo catalogado. É o que o casebre de Santos Dumont comporta atualmente.

0

Projeto de restauração

Para preservar o acervo de Santos Dumont e tornar o museu sustentável financeiramente, a Fundação Casa de Cabangu idealizou a transformação do espaço em um complexo cultural e de entretenimento. O projeto recebeu autorização do Ministério da Cultura para captar R$ 17,3 milhões, via Lei Rouanet, para viabilizar as obras. O prazo para a captação vai até 31 de agosto de 2024.

Além do restauro das edificações tombadas, o projeto prevê a construção de um auditório, uma sala de consulta ao acervo, uma sala de produção de vídeos, um laboratório de lavagem de objetos, uma sala para a reserva técnica e uma biblioteca. Um espaço gastronômico também foi pensado para ocupar a área dos quiosques da fazenda.

O acervo, composto por 474 peças, precisará ser recuperado e digitalizado. O material inclui documentos, livros, objetos pessoais de Santos Dumont e da família do aviador, correspondências, fotografias e o acervo de Anésia Pinheiro Machado, pioneira da aviação brasileira.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comGuilherme Amado

Você quer ficar por dentro da coluna Guilherme Amado e receber notificações em tempo real?

Notificações