Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Lucas Marchesini

Após aumentar passagem, empresa de trens do Rio proíbe comentários

Somente pessoas autorizadas pela SuperVia podem responder à publicação que comunica o aumento, isentando o anúncio de qualquer crítica

atualizado 13/01/2022 23:41

Após aumentar a passagem de trens urbanos no Rio de Janeiro de R$ 5 para R$ 7, a SuperVia, empresa responsável pelo transporte de trens na cidade, proibiu comentários na publicação em que anunciou a nova tarifa nesta terça-feira (4/1).

No Twitter, somente pessoas autorizadas pela concessionária podem responder à publicação, o que isentou o anúncio de qualquer crítica. A elevação da tarifa foi autorizada pela Agência Reguladora de Serviços Públicos Concedidos de Transportes Aquaviários, Ferroviários, Metroviários e de Rodovias do Estado do Rio de Janeiro (Agetransp) e valerá a partir de 2 de fevereiro.

O governo do Rio de Janeiro negocia com a Agetransp para tentar reduzir o valor, mas a SuperVia defende que o aumento corresponde ao índice inflacionário e é previsto no contrato da concessão. Além disso, a empresa alega que episódios de furto e vandalismo em 2021 elevaram o custo de operação.

O comunicado de aumento gerou revolta nos passageiros, que têm reclamado no perfil da SuperVia no Instagram, onde comentários ainda não foram vetados.

(Atualização às 20h do dia 13 de janeiro de 2022: Em nota à coluna, a assessoria da SuperVia informou que bloqueou comentários dos clientes nas redes sociais “a fim de evitar especulações e não inflamar discussões”, acrescentando que o novo valor da tarifa ainda não foi definido. Informou também que mesmo com o reajuste previsto no contrato de concessão, a SuperVia “mantém diálogo com o governo do Estado para que se busque alternativa que não prejudique o passageiro, mas também não prejudique a empresa”.)

Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.

Siga a coluna no Twitter e no Instagram para não perder nada.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna