Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Paulo Cappelli

Aditivo faz empresa de Nelson Piquet receber R$ 6 mi do governo

Empresa de ex-piloto, apoiador de Bolsonaro, foi contratada sem licitação em 2019 e viu cifra aumentar após aditivo com a Agricultura

atualizado 02/08/2022 19:47

Nelson PiquetCharles Coates/Getty Images

Apoiador declarado de Jair Bolsonaro, Nelson Piquet tem um motivo extra para torcer pela reeleição do atual mandatário do Planalto. A Autotrac Comércio e Comunicações, empresa que preside, receberá R$ 6,6 milhões por um contrato assinado em 2019, sem licitação, com o Ministério da Agricultura.

O valor contratado inicialmente foi de R$ 3,5 milhões. Em dezembro de 2020, o governo concedeu à empresa de Piquet um termo aditivo que, hoje, faz com que o montante chegue a exatos R$ 6.683.791,80. E as cifras podem aumentar ainda mais: há previsão no contrato para aditivos até 2026.

O contrato em questão foi firmado com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) para fornecimento de equipamentos necessários à manutenção do sistema de comunicação de dados e controle das estações meteorológicas.

Apesar do contrato vultoso, atualmente a Autotrac deve à União R$ 6,3 mil em impostos. Procurado, Nelson Piquet não se manifestou sobre o assunto.

Atualização (às 13h40 de 2 de agosto de 2022): Por meio de nota, o  Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) afirmou que “o contrato foi celebrado em 22 de dezembro de 1997, passando por vários governos”. Disse que o INMET exige, em todo o processo de contratação, a comprovação da exclusividade de prestação dos serviços. “A empresa AUTOTRAC apresentou os documentos que demonstraram a razão da contratação na condição de exclusividade, situação em que a competição não é viável do fornecedor ou executante”.

Atualização (às 19h30 de 2 de agosto de 2022): Ao contrário do que afirmou a assessoria de imprensa do INMET, o contrato citado pela coluna foi de fato assinado em novembro de 2019, no primeiro ano do atual governo, como mostra o Portal da Transparência do governo federal.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna