metropoles.com

Fundador de empresa de cadeiras acusa filhos de golpe de R$ 50 milhões

O fundador da empresa de cadeiras Flexform, Ernesto Iannoni, tenta, há 10 anos, anular a venda da participação societária de 25%

atualizado

Compartilhar notícia

Divulgação
flexform
1 de 1 flexform - Foto: Divulgação

Fundador da Flexform, indústria fabricante de cadeiras de escritório, o italiano Ernesto Iannoni acusa os filhos, Pascoal de Oliveira Iannoni e Marco Oliveira Iannoni, de arquitetar um golpe contra ele, com o auxílio de gestores da empresa. Os familiares negam quaisquer irregularidades.

Ernesto, de 88 anos, diz que os parentes o lesaram e agiram de “maneira ardilosa”, ao supostamente fraudarem documentos que subsidiaram a negociação para que ele deixasse a administração da empresa milionária.

O empresário, que mora no interior de São Paulo, diz ter ficado “absolutamente desamparado, manipulado e enganado”. A ex-esposa de Ernesto, Yolanda de Oliveira Iannoni, também foi acusada pelo idoso, mas ela faleceu após o início do processo judicial.

No processo que tramita na Justiça há 10 anos, Ernesto alega que fundou a Flexform em 1965. Em 1971, incluiu Yolanda no quadro societário. Em 1979, Pascoal assumiu o cargo de diretor industrial. Em 1983, foi a vez de o outro filho, Marco, ser integrado ao contrato social da empresa.

O empresário diz que cedeu as quotas aos filhos e à então esposa, ainda em vida, como adiantamento da herança a que teriam direito no futuro. O fundador, a ex-mulher e os dois filhos tinham, cada um, 25% da indústria milionária.

Em 2010, Ernesto decidiu deixar a administração pessoal da Flexform, transferindo-a para a esposa e os filhos, “em razão da idade avançada”. A fraude, segundo o fundador da Flexform, ocorreu na negociação da quota de 25% de propriedade dele, que consideraria o valor da indústria e da holding Iannoni.

Ele alega que o laudo apresentado pelos familiares que atestou quanto valia a Flexform era “viciado, tendencioso e absolutamente imprestável”.

O fundador argumenta que o valor justo pela venda da participação de 25% seria de pelo menos R$ 50 milhões, porque a Flexform valia R$ 200 milhões à época da negociação. Ele recebeu, à época, R$ 16 milhões.

Processo judicial

O italiano entrou, em novembro de 2013, com uma ação judicial com objetivo de anular a venda da participação dele na Flexform. Ernesto também solicitou o pagamento da diferença da avaliação da empresa e do valor pago a ele, ressarcimento de tudo que deixou de lucrar no período fora da empresa, além da condenação da ex-esposa, dos filhos e de gestores da indústria, por dano moral.

No processo, a defesa de Ernesto argumenta que a intenção de Ernesto “era simplesmente sair da sociedade, beneficiar a todos, ainda em vida, garantindo, sem processo de sucessão hereditária, patrimônio aos seus filhos”. “Mesmo com uma decisão que beneficiaria aos compradores, viu-se absolutamente desamparado, manipulado e enganado”, diz.

O andamento mais recente do processo judicial ocorreu em 29 de janeiro de 2024, quando a 2ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) negou provimento ao recurso da defesa de Ernesto. Os advogados pediram a realização de nova perícia para avaliar a Flexform “de forma justa, técnica e imparcial”.

Laudos

A defesa questionou laudos contábil e de engenharia homologados pelo TJSP que avaliaram o valor da Flexform e da holding Iannoni. Segundo os advogados de Ernesto, o laudo contábil, por exemplo, teria considerado R$ 37 milhões equivocadamente como despesa, o que reduz o lucro e infla os custos.

Eles apresentaram à Justiça um documento do professor Marinho Ornellas (de acordo com a defesa, criador do Método Ornellas, utilizado na perícia), segundo o qual o laudo pericial contábil “é absolutamente imprestável para os fins a que se destina, na medida que carece de rigor técnico e científico”. Os pedidos, contudo, foram negados pelos desembargadores.

O relator, desembargador Ricardo Negrão, disse que “as divergências são unicamente de cunho técnico e os esclarecimentos foram adequadamente prestados pelos peritos, sem demonstração, até o momento, de conluio para a prática de crime ou irregularidades, não há razão para sua nulidade”.

O advogado de Ernesto, Rafael Carneiro, disse que vai recorrer ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). “Laudos e pareceres de grandes profissionais mostram a fraude que foi praticada para reduzir artificialmente o valor da Flexform e o valor devido ao Sr. Ernesto Iannoni pela venda. Isso depois de ele já ter doado 75% da empresa”, declarou.

O que dizem os acusados

O escritório Vieira Rezende Advogados, que representa a Flexform e os demais acusados pelo fundador da indústria, disse que “a recente decisão proferida pela 2ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo confirma a impropriedade das acusações do Sr. Ernesto Iannoni e que, até o envio desta nota, nenhum recurso foi interposto”.

“Todavia, ressalta que alegações e eventuais recursos do Sr. Ernesto Iannoni sempre foram e continuarão sendo respondidos no foro adequado, dentro dos limites da lei”, pontuou.

“O Vieira Rezende esclarece, ainda, que todos os atos tendentes a prejudicar os filhos do Sr. Ernesto Iannoni, antigos colaboradores e a empresa da qual foi fundador têm recebido o adequado tratamento nas esferas administrativa e judicial. Sem prejuízo disso, o escritório e seus clientes se reservam no direito de apresentar novos esclarecimentos, se o caso demandar”, declarou o escritório.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações