Observadora do cenário político do DF, lança luz nos bastidores do poder na capital.

Flávio Cadegiani tem Covid-19 e adota protocolo com Annita e azitromicina

O médico optou pelo protocolo de um estudo do qual vai participar em parceria com a Applied Biology e a Brown University, dos EUA

atualizado 20/07/2020 17:48

Giovanna Bembom/Metrópoles

O endocrinologista e diretor médico da Corpometria, Flávio Cadegiani, confirmou à coluna Grande Angular, nesta segunda-feira (20/7), que testou positivo para o novo coronavírus. O diagnóstico saiu no dia 13/7.

Cadegiani disse que está tomando os medicamentos nitazoxanida (Annita) e azitromicina. Ele optou pelo protocolo de um estudo do qual vai participar em parceria com a Applied Biology e a Brown University, dos Estados Unidos.

Cientistas e pesquisadores investigam se o tratamento com remédios que inibem a ação de hormônios como a testosterona (anti-androgênicos) tem potencial terapêutico contra a Covid-19.

“O estudo irá avaliar se, e em quais parâmetros, a combinação de nitazoxanida, azitromicina e mais espironolactona ou dutasterida (que é um primo da finasterida) pode ajudar pacientes com a Covid-19”, afirmou Cadegiani.

0

O endocrinologista foi nomeado no dia 12 de maio pela juíza da 3ª Vara Federal Cível do DF, Kátia Balbino de Carvalho Ferreira, como colaborador do órgão no âmbito de um processo que trata da reabertura do comércio no DF durante a pandemia de Covid-19. O parecer de autoria do especialista já foi entregue.

O objetivo era que o médico prestasse auxílio no sentido de esclarecer dados apresentados pelo Governo do Distrito Federal (GDF) sobre o impacto do coronavírus. A nomeação foi pro bono, ou seja, Cadegiani não recebeu qualquer remuneração pela tarefa.

Hipótese de contaminação

A hipótese do profissional é que possa ter se contaminado ao acompanhar a cirurgia de uma assessora do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido). Os dois também estão com a Covid-19.

O procedimento ocorreu cinco dias antes da confirmação dos testes positivos de Bolsonaro e da assessora, segundo o médico. Ambos fizeram o exame em 6 de julho e Bolsonaro anunciou o resultado do teste dele no dia 7 de julho. Cadegiani soube que estava com coronavírus na semana seguinte. “Pode ter sido disso, mas não tenho como afirmar”, ponderou.

O endocrinologista contou que sentiu dores musculares e articulares, sensação de corpo pesado e teve dois episódios de febre, mas agora já está “95% melhor”. Cadegiani afirmou que o diagnóstico “foi inesperado” porque tomou as medidas de prevenção.

“Peguei mesmo usando máscaras, que trocava a cada paciente, respeitando distância mínima de 2 metros, cumprindo isolamento e usando álcool em gel o tempo todo”, pontuou. O médico disse que solicitou a testagem de todos os pacientes que se consultaram com ele nos sete dias antes do diagnóstico. “Até agora, todos, sem exceção, testaram negativo. Fiquei aliviado”, assinalou.

Mais lidas
Últimas notícias