Observadora do cenário político do DF, lança luz nos bastidores do poder na capital.

Falta diesel diariamente em postos do DF, alerta Sindicombustíveis

A alta procura pelo combustível e os efeitos da guerra na Ucrânia têm dificultado a plena oferta de diesel no país, segundo sindicato

atualizado 30/03/2022 14:03

Placa com descrição de combustíveisAline Massuca/ Metrópoles

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis e de Lubrificantes do Distrito Federal (Sindicombustíveis-DF), Paulo Tavares, informou que há escassez de diesel na capital federal. O diesel move caminhões, ônibus e alguns automóveis de passeio, como caminhonetes e SUVs.

“Diariamente, no DF, tem ocorrido falta do diesel em vários postos ocasionada pela adequação dos pedidos com a alta demanda”, informou o sindicato em nota divulgada nesta quarta-feira (30/3).

Entenda como funciona o cálculo do preço da gasolina no Brasil:

0

Segundo o sindicalista, o fenômeno é resultado da guerra na Ucrânia e do aumento de consumo registrado após a queda de casos da pandemia no mundo, já que o Brasil precisa importar diesel para abastecer o mercado interno.

“Cabe ressaltar que as refinarias da Petrobras produzem apenas 65% do diesel consumido no Brasil, e a diferença precisa ser importada para atender o mercado interno. Como essa importação depende das distribuidoras, e devido às dificuldades acima descritas, a escassez do produto tem provocado forte elevação do preço”, afirmou Paulo Tavares.

Ele acrescentou que o setor de revenda de combustíveis “está sofrendo sérias restrições na oferta de diesel em todos os 42 mil postos espalhados pelo Brasil”. “Os postos chamados bandeira branca estão praticamente sem o produto. Estes não possuem acordos com as grandes distribuidoras, que, por sua vez, possuem contratos robustos com as refinarias da Petrobras que lhes garantem quotas maiores no mercado interno deste produto”, pontuou.

Confira a nota na íntegra:

Devido à defasagem de preços entre a Petrobras e o mercado internacional, que vem sofrendo forte dilatação devido à guerra na Ucrânia, o setor da revenda está sofrendo sérias restrições na oferta de diesel em todos os 42 mil revendedores (postos) espalhados pelo Brasil.

Os postos chamados bandeira branca estão praticamente sem o produto, estes não possuem acordos com as grandes distribuidoras, que, por sua vez, possuem contratos robustos com as refinarias da Petrobras que lhes garantem quotas maiores no mercado interno deste produto.

As pequenas distribuidoras estão tendo dificuldades de importação devido à diferença de preços e principalmente ao prazo de entrega, pois o consumo mundial do produto, diesel, está crescendo de forma rápida com o fim da pandemia. Mesmos as grandes distribuidoras, BR, Raziem e Ipiranga, estão todas em adequação. Diariamente no DF tem ocorrido falta do diesel em vários postos, ocasionada pela adequação dos pedidos com a alta demanda.

Cabe ressaltar que as refinarias da Petrobras produzem apenas 65% do diesel consumido no Brasil, e a diferença precisa ser importada para atender o mercado interno. Como essa importação depende das distribuidoras, e devido às dificuldades acima descritas, a escassez do produto tem provocado forte elevação do preço, a famosa lei da oferta e demanda.

Paulo Tavares
Presidente do Sindicombustiveis – DF”

Mais lidas
Últimas notícias