Gigantes da moda fazem doações para a reconstrução da Notre-Dame

Juntos, os conglomerados LVMH e Kering somam cerca de R$ 1,3 bilhão para ajudar a recuperação do monumento histórico

DeAgostini/Getty ImagesDeAgostini/Getty Images

atualizado 16/04/2019 15:13

Nessa segunda-feira (15/04/19), um incêndio devastador atingiu a catedral de Notre-Dame, em Paris. Um dos maiores símbolos históricos da França e da arquitetura mundial, a igreja será fechada por tempo indeterminado depois de sofrer danos preocupantes.

Os bombeiros trabalharam nove horas para apagar o fogo e conseguiram salvar a base da estrutura do prédio. No entanto, a torre mais alta do edifício desmoronou, enquanto todo o telhado e a armação foram destruídos.

O ocorrido causou comoção mundial, inclusive no universo da moda. Donos dos grupos Kering e LVMH anunciaram doações para a tentativa de reconstruir a Notre-Dame.

Chesnot/Getty Images
Chamas e fumaça no teto da Catedral de Notre-Dame: o fogo se espalhou rapidamente

 

Segundo especialistas, o prejuízo ainda é incerto. A restauração do ponto turístico poderá custar centenas de milhões de euros e demorar décadas. Nesse cenário, muitas pessoas se mobilizaram para pedir recursos e acelerar o processo.

Rapidamente, François-Henri Pinault se pronunciou: o empresário da Kering colocou 100 milhões de euros – o equivalente a R$ 437 milhões – à disposição do governo francês. O conglomerado controla grifes renomadas, como Gucci, Balenciaga, Saint Laurent, Alexander McQueen e Bottega Veneta.

O grupo LVMH, que também gerencia gigantes da moda (Fendi, Celine, Givenchy, Loewe e Louis Vuitton), anunciou em seguida uma doação de 200 milhões de euros (cerca de R$ 875 milhões) para reerguer o monumento francês.

“A família Arnault e o Grupo LVMH, em solidariedade com essa tragédia nacional, estão comprometidos a ajudar a reconstruir a extraordinária catedral, símbolo da França, sua herança e unificação”, destacou Bernard Arnault, dono da holding, em comunicado oficial.

LORI HINANT/ASSOCIATED PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Os danos causados pelo incêndio ainda estão sendo analisados

 

Chesnot/Getty Images
Os bombeiros levaram horas para conter o fogo

 

De acordo com os bombeiros, o fogo pode estar relacionado a obras de restauração no prédio, que começou a ser construído em 1163. Contudo, procuradores de Paris declararam, nesta terça-feira (16/04/19), que não acreditam na hipótese de o incêndio ter sido ocasionado de forma voluntária. “Nós estamos priorizando a teoria de um acidente”, disse Remy Heitz.

As autoridades também afirmaram que a apuração será complexa e levará muito tempo. Cerca de 50 investigadores vão atuar no caso.

O presidente da França, Emmanuel Macron, prometeu recuperar Notre-Dame. “Vamos reconstruir a catedral, todos juntos. Uma campanha nacional vai ser lançada para além das nossas fronteiras”, afirmou à imprensa.

A região de Île-de-France, que inclui Paris e arredores, comunicou a utilização de um aporte de 10 milhões de euros na recuperação. Já a prefeitura da capital francesa vai proporcionar um auxílio de 50 milhões de euros. Entre os doadores até o momento, também está a empresa de energia Total.

Dan Kitwood/Getty Images
A Unesco também ofereceu apoio ao governo francês para recuperar a Catedral de Notre-Dame, patrimônio da humanidade desde 1991

 

Para outras dicas e novidades sobre o mundo da moda, não deixe de visitar o meu Instagram. Até a próxima!

Colaborou Rebeca Ligabue

SOBRE O AUTOR
Ilca Maria Estevão

Formada em psicologia pela Universidade Georgetown, em Washington (EUA). É apaixonada por moda e acompanha toda movimentação no universo fashion.

Últimas notícias