Analistas de tendências adiantam as cores da primavera/verão 2021. Confira!

Depois de privilegiar tons escuros nesta temporada, a moda recorrerá aos pigmentos suaves e vívidos para atender as demandas pós-coronavírus

atualizado 21/05/2020 10:17

Desfile Saint Laurent Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images

Há dois meses, a moda apostava em estilos agressivos e fetichistas, com itens escuros em couro e látex, sobretudos, bandanas e peças em xadrez figurando entre as principais tendências do outono/inverno 2020. Com a pandemia, no entanto, a indústria têxtil teve que se reestruturar e mirar em moods mais suaves para se adequar às mudanças de comportamento geradas pelo isolamento social, como indica um estudo feito por analistas de tendências do WGSN e especialistas da Coloro, a principal concorrente da Pantone.

Vem comigo conferir quais tons surgirão na próxima temporada, como um reflexo da dura realidade que vivemos atualmente.

O estilista André Carvalhal, autor do livro Moda Com Propósito, acredita que os consumidores, naturalmente, irão gastar menos com roupas após o isolamento social. “Algumas pessoas estarão sem emprego ou sem dinheiro”, afirmou ao Yahoo Finanças.

O profissional adianta que, após tanto tempo sem revisitar o guarda-roupa, os amantes da moda não devem encarar a busca por novos visuais como uma prioridade. “As roupas deixaram de ser um item de necessidade ou interesse para quem está dentro de casa”, defendeu ao portal.

André Carvalhal explica que o consumo será moderado nos primeiros meses após a pandemia

 

Para Carla Buzasi, diretora executiva da WGSN, empresa que prevê tendências de mercado, as incertezas criadas pelo surto da Covid-19 obrigou a indústria têxtil e os amantes da moda a desacelerarem.

“A pandemia de coronavírus é o maior motor de mudança global observado em muito tempo, alterando as atitudes dos consumidores. As indústrias serão pressionadas a se adaptarem, à medida que enfrentamos uma realidade que exige flexibilidade, resiliência e, acima de tudo, criatividade, tanto dos indivíduos como das empresas”, diz a especialista no relatório Future Consumer 2022, divulgado recentemente.

Carla Buzasi
De acordo com Carla Buzasi, a pandemia desacelerou o mercado, o que originará demandas diferentes das que víamos há três meses

 

Segundo ela, quando a crise acabar, iremos lidar com um mundo diferente, o que significa que as marcas deverão proporcionar novos formatos de experiência. “É mais importante do que nunca compreender o que as pessoas ainda querem comprar. Embora dependamos da conectividade digital para sobreviver a estes tempos turbulentos, é a nossa necessidade de conexão humana que realmente moldará nossas vidas”, adianta Buzasi no estudo.

A WGSN destaca que a junção de quatro sentimentos construirá a nova percepção do consumidor: medo, resiliência, resistência e otimismo. Ao unificar essas sensações, os clientes demandarão experiências de compra mais simples. “Deve-se criar ambientes e produtos relaxantes, projetados para aliviar o estresse e a ansiedade”, indica a diretora executiva da empresa.

WGSM
WGSN relata que os designers terão que oferecer criações descomplicadas aos consumidores

 

De olho neste contexto, a empresa de previsão de tendências, em parceria com o catálogo de cores Coloro, investiu em um estudo para apontar quais tons estarão relacionados a este comportamento.

Jenny Clark, diretora de cores da WGSN, conta que os pigmentos serão guiados pelo desejo de energia e equilíbrio. “Com períodos prolongados de isolamento, a natureza e sua vitalidade terão um apelo claro, mas a tecnologia também será celebrada, à medida que as conexões por meio de ferramentas digitais se tornam necessárias. As principais tonalidades da nova estação refletem essa dualidade, indo dos tons orgânicos aos artificialmente aprimorados”, comenta.

A primavera/verão 2021 será marcada pelo contraste de tons naturais e technocolors

 

Flor de orquídea

Em um momento tão incerto, essa versão um pouco mais escura do magenta será uma ótima maneira de criar uma sensação de positividade e escapismo. A cor vibrante deve causar impacto tanto no beachwear quanto no segmento de festas, além de figurar em estampas e looks monocromáticos.

“A flor de orquídea tem uma qualidade intensa, hiper-real e energizante que se destacará na vida real e nos meios digitais”, observa Joanne Thomas, chefe de conteúdo da Coloro.

Giphy
Flor de orquídea é a primeira cor da primavera/verão 2020

 

WGSN
Tonalidade é uma versão mais escura do magenta

 

Desfile Saint Laurent
A Saint Laurent apostou no tom para sua última coleção de outono/inverno

 

No outono/inverno 2019/20 da JW Anderson

 

Desfile Saint Laurent
Cor será usada para passar sensação de positividade

 

A flor de orquídea deve surgir com frequência em visuais monocromáticos…

 

… e vestidos de festa

 

Cor é versátil e oferece diversas possibilidades

 

Até mesmo para looks norteados pela alfaiataria

 

Azeite

Depois dos verdes gritantes que tomaram as passarelas nas últimas temporadas, o tom de azeite dominará as roupas de trabalho, lingeries, calçados e acessórios, como preveem a Coloro e a WSGN. A aderência à cor, muitas vezes conectada à cultura militar, já podia ser sentida no street style da temporada de outono/inverno 2020. Agora, graças à demanda por simplicidade, a tonalidade esmaecida deve protagonizar as estações mais quentes do ano.

Giphy
A segunda cor da lista é o azeite

 

WGSN
Variação do verde costuma aparecer em composições militares

 

Mas, agora, chega atrelada a composições mais refinadas, como nesta produção vista no último desfile da Fendi

 

A Celine também recorreu à tonalidade para criar sua vibe setentista

 

Desfile Saint Laurent
Destaque no show da Saint Laurent, ecoando na mídia por meio de Kaia Gerber

 

Louis Vuitton
No xadrez da Louis Vuitton

 

Desconstrução ganhou um ar confortável graças ao uso do pigmento

 

Esse visual reúne três das principais cores da primavera/verão 2021

 

Produção direcionada pela cor exala elegância

 

Manteiga

Também vista no outono/inverno, em desfiles de grifes como Chanel e Bottega Veneta, o amarelo manteiga esticará sua passagem pela moda até o ano que vem. De acordo com o levantamento, a variação clara e suave do pigmento reluzente se popularizará nos segmentos read-to-wear e loungewear, surgindo na alfaiataria e em lingeries.

Giphy
A terceira cor do relatório é a manteiga

 

WGSN
Variação tem aspecto pastel

 

Na temporada de outono/inverno 2020, foi vista na apresentação da Chanel…

 

… Nos acessórios da Bottega Veneta…

 

… E na alta costura de Georges Hobeika

 

Tonalidade será recorrente na alfaiataria

 

Max Mara
Conjunto lançado recentemente pela Max Mara

 

Desfile Zhang Shuai
Criação da ZHANGSHUAI, exibida durante o China Fashion Week de outono/inverno 2020/21

 

mulher com mistura de estampas em Copenahague
No street style, a cor ganhará espaço em composições mais ousadas

 

Sorvete de manga

A variação vívida e levemente alaranjada do amarelo será o ponto de energia nas coleções de primavera/verão 2021. O tom alegre e estimulante já aparece em roupas de banho e peças esportivas, mas deve alcançar, ainda, as padronagens e formas exuberantes típicas da primavera.

Giphy
A quarta cor a ganhar as passarelas na primavera/verão 2021 é a sorvete de manga

 

WGSN
O tom nada mais é do que a cor da fruta tropical no auge de sua maturação

 

Na primavera/verão 2020/21 da Balmain

 

No blazer de Alberta Ferretti

 

Primavera/verão 2020/21 da Prada

 

Pigmento agregará ainda mais impacto às criações volumosas

 

E mais estilo às peças esportivas

 

Bem como nas produções monocromáticas

 

Modelagens clássicas ganham aspecto moderno por meio do tom

 

Azul atlântico

Após o distanciamento social, a reconexão com a natureza será representada por meio do azul atlântico, que nada mais é do que uma versão similar do classic blue, eleito pela Pantone como a cor de 2020. Reconfortante, o tom remete a elementos como o oceano e o céu, sendo perfeito para criações minimalistas e sofisticadas.

Giphy
Para fechar as cinco cores que provavelmente irão bombar na próxima temporada, temos o azul atlântico

 

WGSN
Pigmento é basicamente o classic blue da Pantone

 

Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images
Tom evoca o mar e o céu. O vestido é da Badgley Mischka

 

Victor VIRGILE/Gamma-Rapho via Getty Images
Sobreposição da Sies Marjan

 

Modelo na passarela de Jean Paul Gaultier
Na alta-costura, a cor surgiu por meio das criações de Jean Paul Gaultier

 

modelo na passarela com estampa de bolinhas
Nos elementos geométricos do outono/inverno 2020/21 da Givenchy

 

Hanna Lassen/Getty Images
Neste look, visto em Paris, o azul foi complementado com toques de amarelo

 

Eamonn M. McCormack/Getty Images
Kate Middleton com produção clássica

 

Steve Granitz/WireImage/via Getty Images
Greta Gerwig no tapete vermelho do Governors Awards

 

O momento pede cores mais calmas e descomplicadas, porém, em nossa nova realidade, os tons brilhantes dos aparatos tecnológicos se mostraram essenciais. A cartela de cores do próximo semestre, criada pela WGSN e pela Coloro, reflete essa polarização de necessidades, que também deverá ser retratada nas silhuetas e materiais da temporada de primavera/verão 2021.

Caso as semanas de moda de setembro não consigam realizar suas atividades presenciais, essa dualidade poderá ser ainda mais clara. Afinal, tendo as telas LCD como sua grande vitrine de divulgação, a indústria não hesitará em investir em contrastes para captar a atenção do público.


Colaborou Danillo Costa

Últimas notícias