Novo Mercedes CLA 250 chegou com 224cv e vai custar R$ 219,9 mil

O torque, de 35,6 kgfm, é muito bom. O câmbio é automático de sete marchas e dupla embreagem. A velocidade máxima é de 250 km/h.

Foto: Mercedes-Benz/DivulgaçãoFoto: Mercedes-Benz/Divulgação

atualizado 09/10/2019 9:44

A montadora alemã Mercedes-Benz acaba de anunciar a chegada ao Brasil do novo CLA 250. É um sedã de respeito, e não apenas pela marca: ele vem com um motor 2.0 de quatro cilindros, capaz de gerar 224cv, e um excelente torque de 35,6 kgfm. O câmbio é automático de sete marchas e dupla embreagem. A velocidade máxima é de 250 km/h. Preço? R$ 219.900.

 

Foto: Mercedes-Benz/Divulgação

A versão detalhes externos em preto brilhante – como os frisos dos para-choques dianteiro e traseiro, retrovisores e das janelas. E um pacote de ofertas de cores que têm como alvo os jovens, mas foca no branco, preto, prata, cinza (de diferente, azul, yellow sun, vermelho).

Por dentro

Os detalhes ficam por conta da fibra de carbono no painel – e as saídas de ar com visual de turbina.  O volante, claro, é de couro. Vem com duas telas de 10,2 polegadas, com sistema multimídia de primeira, o MBUX – Mercedes-Benz User Experience. 

Ele é intuitivo. Por meio de gráficos de alta resolução, via toque no próprio display de mídia e controle vocal inteligente, o condutor se integra ao veículo. O sistema reconhece fala, ativado por meio das palavras-chave “Olá”, “Oi” ou “E aí” seguidas por “Mercedes”.

Foto: Mercedes-Benz/Divulgação

Funções como ajuste do ar condicionado, escolha de uma estação de rádio e abertura da persiana do teto-solar podem ser facilmente acessadas por meio do comando de voz.

Mas o que chama a atenção é o head-up display – responsável por colocar no para-brisa as principais informações do veículo em alta resolução e em cores. Isso faz com que o condutor permaneça com os olhos na estrada e não ter problemas de visualização dos dados (dia ou noite).

O carro ainda tem diferentes modos de condução: econômico, confortável, esportivo. E, como não poderia deixar de ser, pelo preço cobrado, controle de estabilidade, câmera de ré, 12 sensores de estacionamento, assistente de freio e por aí vai.

SOBRE O AUTOR
Renato Ferraz

Pernambucano e jornalista desde 1988. Trabalhou em veículos como Diário de Pernambuco, no Recife; revista Veja, em Belo Horizonte; Correio Braziliense, em Brasília. Tem duas pós-graduações: uma pelo Instituto Internacional de Ciências Sociais/Universidad de Navarra e outra pelo Centro Universitário de Brasília (UniCeub). Cobre o setor automobilístico há 15 anos.

Últimas notícias