metropoles.com

Preso por tráfico é jovem não branco e de baixa escolaridade, diz Ipea

Pesquisa do Ipea e do Ministério da Justiça e Segurança Pública identificou o perfil do réu em ações criminais por tráfico de drogas no país

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução/Getty Images
Imagem ilustrativa de silhueta de homem na frente de uma porta - Metrópoles
1 de 1 Imagem ilustrativa de silhueta de homem na frente de uma porta - Metrópoles - Foto: Reprodução/Getty Images

Jovens com menos de 30 anos, não brancos, de baixa escolaridade, empregados/autônomos ou desempregados: esse é o perfil de condenados em ações criminais por tráfico de drogas no Brasil, de acordo com pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

A “aparência” do preso por tráfico foi identificada em dois levantamentos feitos em conjunto pelo Ipea e pela Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas e Gestão de Ativos, do Ministério da Justiça e Segurança Pública, publicados em 22 de setembro.

Nos estudos, foram examinados 5 mil autos, presentes na base de processos penais do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), por crimes de tráfico de drogas sentenciados em 2019. A análise baseia-se no âmbito dos Tribunais Regionais Federais e dos Tribunais de Justiça estaduais.

Para obter os dados, os pesquisadores observaram características como idade, raça, gênero, situação de emprego, antecedentes, confissão quanto à posse, tráfico e/ou uso de drogas, entre outras.

Homens são maioria dos réus

Conforme ambos os levantamentos, a maioria dos réus é formada por homens: representando 86% e 79%, no âmbito estadual e no federal, respectivamente. Mulheres correspondem a 13% dos casos em tribunais estaduais e 17% no tribunais regionais federais.

Tabela estadual:

 

Tabela federal:

Autos da Justiça Estadual mostram que 489 das sentenciadas nos processos analisados, ou seja 9%, declararam ou apresentaram confirmação de gravidez em algum período do processo.

Jovens com menos de 30 anos

De acordo com o estudo, a maior parcela dos processados por tráfico de drogas é constituída por jovens na faixa etária com menos de 30 anos, representando 71,3% dos réus — sendo pessoas dos 22 aos 30 anos (45,2%)e dos 18 aos 21 anos (26,1%).

Em comparação, na Justiça Federal, o réu típico é mais velho do que na Justiça Estadual. Com 54,5% de pessoas acima dos 30 anos, os tribunais regionais federais concentram 40,3% com idade menor que 30 anos.

Ainda no âmbito federal, há uma concentração de adultos na faixa dos 31-40 anos, com 31,2% dos casos, e acima dos 40, com 23,3%.

Veja a tabela completa abaixo no âmbito estadual:

Veja a tabela completa abaixo no âmbito federal:

Pessoas não brancas e de baixa escolaridade

Somados, os dados estaduais de raça dos réus declarados negros representam 46,2% dos casos. A descrição com maior frequência nos registros é a parda/mulata/morena, com 31,9% dos casos analisados.

Para 21,2% dos processados, o registro de raça foi a branca. Juntos, amarelos e indígenas somam 0,2%. Outros 2,7% são de dados divergentes, ou seja, a mesma pessoa apresenta informações de raça diferentes ao longo do processo.

Confira a tabela dos dados estaduais:

O estudo destaca que informações raciais geralmente são subnotificadas ou escassas nos registros oficiais, inclusive nos produzidos pelos próprios sistemas de justiça criminal. Em 29,7% dos autos da Justiça Estadual não havia registros sobre raça.

Já na Justiça Federa o número chegou a 71,1% de casos não informados. A raça mais notificada segue sendo a parda/mulata/morena, representando 16,6% dos réus. Para 9,1% dos registros, a declaração de raça é a branca.

Confira a tabela dos dados federais:

Do perfil analisado tanto nos tribunais estaduais e nos tribunais regionais federais, é possível observar que réus que cursaram no máximo o ensino fundamental (28,3% e 68,4%) estão presentes na maioria de casos de tráfico de drogas.

Informações estaduais:

Informações federais:

Autônomos e desempregados

Nos dois levantamentos, o perfil econômico dos réus é descrito como formado por trabalhadores autônomos ou empregados e desempregados ou desocupados. Na Justiça Estadual, 17.706 processados (43,1%) têm algum emprego e na Justiça Federal esse número chega a 170 (67,2%).

Já o índice de desemprego é de 8.828 réus (21,5%) e de 28 réus (11,1%), respectivamente, no âmbito estadual e federal.

Dados estaduais:

Dados federais:

Uso pessoal e dependência química

Além das informações socioeconômicas, os resultados mostram que 30% dos réus nos tribunais estaduais alegaram que a droga apreendida era destinada ao uso pessoal. Outros 49% afirmaram ser usuários ou sofrer com dependência química.

Na Justiça Federal, os resultados foram bastante díspares: 4% e 10%.

0

Internacionalização do tráfico de drogas

Ao observar o país de origem dos réus, nota-se que 80,6% são brasileiros e 19%, estrangeiros — na Justiça Estadual, os estrangeiros somavam apenas 0,4%, o que confirma uma maior internacionalização do tráfico de drogas investigado pela Justiça Federal.

A rota marítima do tráfico de cocaína do Brasil à Europa

Foram identificados réus de 21 países:

  • África do Sul
  • Alemanha
  • Bolívia
  • Cabo Verde
  • Colômbia
  • Espanha
  • Filipinas
  • França
  • Grécia
  • Guiné-Bissau
  • Malásia
  • Mali
  • Moçambique
  • Paraguai
  • Peru
  • Portugal
  • Reino Unido
  • Sérvia
  • Síria
  • Ucrânia
  • Venezuela.

“Incontestável quadro de racismo institucional”

A secretária Nacional de Políticas sobre Drogas, Marta Machado, acredita que um dos dados mais relevantes é o “incontestável quadro de racismo institucional no sistema de justiça criminal”, além de reforçar a “necessidade premente de ações que incidam sobre os vieses raciais dos agentes de segurança pública e do sistema de Justiça”.

Segundo ela, o diagnóstico fortalece o compromisso da Senad “em conduzir a política sobre drogas tendo como pressupostos a promoção de justiça racial, a garantia dos direitos humanos e a proteção aos grupos vulneráveis mais impactados pelos efeitos discriminatórios resultantes desta política de Estado”.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações