Ribeiro diz que não autorizou bíblias com foto dele em evento do MEC

Segundo o ministro, os livros com as imagens tinham sido impressos para um evento religioso no ano passado

atualizado 28/03/2022 13:17

Ministro da Educação Milton Ribeiro. Ele tem cabelos brancos ao lado da cabeça e usa óculos - MetrópolesVinícius Schmidt/Metrópoles

Em resposta a novas denúncias sobre um suposto gabinete paralelo no Ministério da Educação, nas quais a distribuição de bíblias em formato de “santinhos” foram reveladas pelo jornal Estado de S.Paulo, o ministro Milton Ribeiro disse desconhecer a utilização de sua imagem nos exemplares em evento do MEC.

De acordo com o ministro, ele autorizou, no ano passado, o uso da imagem para a veiculação em evento de cunho religioso, mas não havia permitido o uso e distruição em evento realizado pelo Ministério da Educação, em Salinópolis (PA), no mesmo ano.

No evento, exemplares de bíblias foram distribuídos aos participantes com fotos dos pastores Gilmar Santos e Arilton Moura e do ministro da Educação, Milton Ribeiro.

“Descobri no final de outubro de 2021 que bíblias com minha imagem foram distribuídas em outros eventos sem a minha autorização. […] Agi com diligência e de forma tempestiva para evitar o uso indevido de minha imagem. Imediatamente, em 26 de outubro de 2021, enviei ofício desautorizando esse tipo de distribuição”, explica Ribeiro.

A reunião ocorreu no dia 3 de junho de 2021 e reuniu prefeitos e secretários municipais do Pará, além do próprio ministro e pastores que foram mencionados no suposto esquema de corrupção na pasta.

Os pastores Gilmar Silva dos Santos, presidente da Convenção Nacional de Igrejas e Ministros das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB), e Arilton Moura, assessor de Assuntos Políticos da CGADB, não têm cargo público no ministério. Entrentanto, segundo a denúncia do jornal, participaram por um longo período de agendas com o ministro Milton Ribeiro.

O prefeito de Salinópolis, Carlos Alberto de Sena Filho (PL), foi um dos que também teve o rosto estampado no livro religioso, uma vez que “patrocinou” a impressão das bíblias. Ao todo, foram impressos mil livros, a R$ 70 cada exemplar. A edição ficou a cargo da Igreja Ministério Cristo para Todos, ramo da Assembleia de Deus, do pastor Gilmar Santos, que tem uma gráfica em Goiânia.

Mesmo não tendo cargo, Santos foi anunciado como “autoridade” no evento voltado para a educação. Na ocasião, ele se sentou ao lado do ministro Milton Ribeiro e do presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Marcelo Ponte.

Mais lidas
Últimas notícias