Pesquisa mostra que 93% dos brasileiros são contra “supersalários” de servidores

Levantamento feito pelo Datafolha ouviu 2.072 pessoas sobre o tema. Cerca de 25 mil servidores públicos no Brasil recebem acima do teto

atualizado 19/10/2021 16:23

Congresso NacionalJefferson Rudy/Agência Senado

Pesquisa do Datafolha mostrou que 93% das pessoas são contrárias aos “supersalários” pagos pelo governo a funcionários públicos. O teto previsto em lei para um servidor é de R$ 39,2 mil mensais.

O instituto ouviu 2.072 pessoas no levantamento, realizado entre os dias 9 e 20 de julho deste ano. O estudo, encomendado pelo Movimento Pessoas à Frente, utilizou metodologia quantitativa através de entrevistas com indivíduos maiores de 16 anos, de maneira presencial.

As mais de 2 mil pessoas responderam à pergunta: “Você é a favor ou contra que funcionários públicos que ganham R$ 39.200,00 possam receber, além do seu salário, auxílios em dinheiro?”. Do total de entrevistados, 93% disseram não concordar enquanto 6% afirmaram concordar e 1% responderam não saber.

De acordo com levantamento do Centro de Liderança Pública (CLP), cerca de 25 mil servidores públicos no Brasil recebem acima do teto constitucional: um gasto de R$ 2,6 bilhões ao ano para os cofres públicos. O relatório é baseado em dados de 2019, da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad Continua) feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em julho deste ano, a Câmara dos Deputados aprovou o projeto de Lei 6726/16, do Senado, que regulamenta os limites remuneratórios do funcionalismo público. Com as novas regras, de acordo com projeções usadas pela equipe do relator do texto, o deputado Rubens Bueno (Cidadania-PR), a mudança pode gerar uma economia nas contas públicas de R$ 2,6 bilhões a R$ 3 bilhões por ano.

Os salários sujeitos à regulamentação atingem, entre outros, integrantes dos quadros do Executivo, o presidente, vice-presidente, ministros, governadores, prefeitos, secretários estaduais e municipais, membros do Legislativo, juízes, do Ministério Público, da Defensoria Pública, dentre outros.

0

Mais lidas
Últimas notícias