metropoles.com

Governo pede que Petrobras tente segurar novo reajuste de combustíveis

À diretoria da empresa, integrantes do Executivo pediram que mudanças não sejam feitas até que o Congresso aprove projeto sobre o ICMS

atualizado

Compartilhar notícia

Daniel Ferreira/Metrópoles
Gasolina - Crise - Petrobras
1 de 1 Gasolina - Crise - Petrobras - Foto: Daniel Ferreira/Metrópoles

O governo do presidente Jair Bolsonaro (PL) se reuniu com a diretoria da Petrobras nessa segunda-feira (13/6). No encontro, integrantes do Executivo pediram para que a estatal tente segurar um novo reajuste no preço dos combustíveis.

A ideia proposta pelo governo é de que a petroleira não anuncie novos reajustes até o Congresso Nacional aprovar o projeto de lei que estabelece uma alíquota máxima para o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre combustíveis.

Inicialmente, o grupo que trabalha pela reeleição de Bolsonaro ao Palácio do Planalto queria que a Petrobras evitasse um novo reajuste até as eleições deste ano.

Diretores da empresa, no entanto, têm argumentado que a defasagem de preços em relação ao mercado internacional está aumentando, e é necessário fazer reajustes. Com isso, o governo precisou passar para o plano B.

0

Discussão do ICMS no Congresso

Nessa segunda-feira, o Senado Federal aprovou a proposta que limita uma alíquota de ICMS sobre produtos como energia elétrica, combustíveis, comunicações e transportes.

Pelo texto, os produtos passam a ser classificados como essenciais e indispensáveis, o que proíbe estados de cobrarem taxa superior à alíquota geral de ICMS, que varia entre 17% e 18%.

Como sofreu modificações dos senadores, a matéria precisou retornar para nova análise dos deputados. A expectativa é que a Câmara analise a proposta na sessão plenária desta tarde. Se aprovada, segue para a sanção presidencial.

O ICMS é um imposto estadual e compõe o preço de boa parte dos produtos comercializados no Brasil. Os governadores são contra a proposta em discussão no Parlamento. Eles argumentam que, se aprovada, a mudança na alíquota do imposto pode representar uma perda de R$ 100 bilhões em arrecadação.

Para contornar a situação, o governo Bolsonaro chegou a anunciar que arcaria com o ressarcimento aos estados pelas perdas de arrecadação. O Palácio do Planalto, no entanto, condicionou a compensação caso os estados e o Distrito Federal zerem o alíquota do ICMS sobre o diesel e o gás de cozinha.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações