metropoles.com

Bolsonaro defende manutenção do Bolsa Família: “Não tem como tirar”

Presidente afirmou que 17 milhões de famílias não têm condições de trabalhar devido à falta de qualificação profissional

atualizado

Compartilhar notícia

Rafaela Felicciano/Metrópoles
Presidente Jair bolsonaro e o ministro da economia Paulo Guedes durante coletiva teto de gastos
1 de 1 Presidente Jair bolsonaro e o ministro da economia Paulo Guedes durante coletiva teto de gastos - Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta quarta-feira (27/10) que não pode acabar com o Bolsa Família. Ele afirmou que a manutenção do benefício se faz necessária porque boa parte dos assistidos não consegue emprego por falta de qualificação profissional.

“Não tem como tirar o Bolsa Família do pessoal, como alguns querem. São 17 milhões que não têm como ir mais para o mercado de trabalho, com todo o respeito não sabem fazer quase nada. O que a juventude aprendeu com 14 anos do PT, tendo o ministro Haddad lá na Educação?”, indagou Bolsonaro em entrevista a Sikêra Júnior, da TV A Crítica, afiliada da RedeTV! no Amazonas.

O programa social criado no governo do PT será substituído pelo Auxílio Brasil, em uma iniciativa vista como uma forma de ajudar a recuperar a popularidade de Bolsonaro, que deve tentar a reeleição em 2022.

Em seguida, Bolsonaro questionou a educação do povo brasileiro, ressaltou que o país está nas últimas posições do exame do Programa Nacional de Avaliação de Estudantes (Pisa) e disse que a maioria não sabe fazer contas básicas, como 7 x 8. Um homem usando uma máscara de jumento subiu ao palco e Bolsonaro brincou com ele.

Bolsonaro afirmou que tem como aumentar o valor do benefício social, mas depende do Congresso para aprovar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios.

O ministro da Cidadania, João Roma, anunciou que o programa terá um reajuste de 20% e começará a ser pago em novembro de 2021. O benefício será de R$ 400 mensais. A ideia é reformular o Bolsa Família e abranger uma quantidade maior de pessoas, incluindo parte dos brasileiros que receberam o auxílio emergencial por ocasião da pandemia.

Atualmente, o programa social do governo federal contempla 14,7 milhões de famílias de baixa renda. Com a reformulação, o governo pretende atender cerca de 17 milhões de famílias. Estimativas apontam que o programa social como um todo – considerando o programa permanente e o benefício transitório que deve ser instituído até o final de 2022 – custará aos cofres públicos um total de R$ 84,7 bilhões no próximo ano.

Na última semana, a ala política do governo entrou em embate com a equipe econômica em razão das negociações para viabilizar o programa. A principal discussão gira em torno da decisão de furar o teto de gastos, regra que impede o governo de deixar as despesas crescerem acima da inflação do ano anterior.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações