metropoles.com

PF: generais Ramos e Heleno participaram de ofensiva contra urnas

Relatório da PF, publicado por jornal, aponta que ministros participam, desde 2019, de ofensivas para buscar indícios de fraudes em urnas

atualizado

Compartilhar notícia

Igo Estrela/Metrópoles
Ministro Luiz Eduardo Ramos em conversa ao pé do ouvido com o presidente Jair Bolsonaro - Metrópoles
1 de 1 Ministro Luiz Eduardo Ramos em conversa ao pé do ouvido com o presidente Jair Bolsonaro - Metrópoles - Foto: Igo Estrela/Metrópoles

Inquérito da Polícia Federal (PF) aponta que membros da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e os generais Luiz Eduardo Ramos (ministro da Secretaria Geral da Presidência da República) e Augusto Heleno (ministro do Gabinete de Segurança Institucional — GSI) participaram, desde 2019, de ofensivas para buscar informações contra as urnas eletrônicas.

A investigação teve início após o presidente Jair Bolsonaro (PL) realizar, em julho de 2021, uma live em que compartilhou informações falsas e fez uma série de ataques ao sistema eleitoral. Relatada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, a apuração corre dentro do inquérito das milícias digitais.

0

Uma das informações divulgadas por Bolsonaro durante a transmissão ao vivo foi a de que houve suspeita de fraude na eleição de 2014, quando Dilma Rousseff (PT) foi eleita. O presidente utilizou como prova uma planilha elaborada pelo técnico Marcelo Abrileri.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, Abrileri relatou à Polícia Federal que foi procurado em 2019 pelo general Luiz Eduardo Ramos para se reunir com Bolsonaro e discutir “indícios de fraudes” nas urnas eletrônicas. O encontro teria sido no Palácio do Planalto.

De acordo com Abrileri, outras oito pessoas participaram da reunião, que teve uma hora de duração. À PF, o técnico afirmou que mostrou a Bolsonaro os indícios de possíveis fraudes nas eleições de 2014, e que outros participantes do encontro também mostraram supostas informações sobre falhas nas urnas.

No entanto, o técnico disse não recordar quais seriam os dados apresentados. Ainda de acordo com o jornal Folha de S.Paulo, Abrileri disse à polícia que foi novamente procurado pelo general Ramos entre junho e julho de 2021. Em ligação colocada em auto falante, o técnico conversou com o general e com o presidente Bolsonaro.

“Durante essa conversa foi avisado que estavam reunindo várias informações sobre possível fraude nas urnas eletrônicas. O general Ramos pediu para o declarante falar um pouco sobre as informações que descobriu”, disse Abrileri à Polícia Federal.

Abin

O técnico também relatou que o general Augusto Heleno, ministro do GSI, atuou na procura por informações contra as urnas eletrônicas. No mesmo inquérito, o perito da PF Ivo Peixinho apontou que a Abin procurou informações sobre o sistema eleitoral do país, entre 2019 e 2020.

Der acordo com o perito, então chefe da Abin, Alexandre Ramagem, enviou uma consulta sobre ocorrências ou atividades envolvendo urnas eletrônicas nas eleições. Um informe com as atividades da PF sobre o tema teria sido produzido. O material foi utilizado na live de Bolsonaro — apesar de não apontar qualquer indício de fraude.

A delegada responsável pelo caso, Denisse Ribeiro, concluiu que as ações para desacreditar o sistema eleitoral são relacionados à investigação criminosa apurada no inquérito das milícias digitais.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?