Parlamentares acionam PGR para investigar ajuda de Abin a Flávio Bolsonaro

Documentos revelados nesta sexta-feira (11/12) pela revista Época apontam que órgão ajudou senador no caso das rachadinhas

atualizado 11/12/2020 16:37

marcelo-freixo-deputadoValter Campanato/Agência Brasil

Parlamentares e partidos acionaram, nesta sexta-feira (11/12), a Procuradoria-Geral da República (PGR), solicitando a investigação da participação do ministro Augusto Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, e de Alexandre Ramagem, chefe da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), na suposta elaboração de relatórios entregues à defesa do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) no caso das “rachadinhas”.

A Abin teria produzido pelo menos dois relatórios de orientação para o filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro, e seus advogados, sobre o que deveria ser feito para obter os documentos que permitissem embasar a anulação do caso. Os documentos foram revelados nesta sexta-feira (11/12) pela revista Época.

O deputado federal Marcelo Freixo (PSol) pediu investigação de possível caso de improbidade administrativa. O partido Novo e os líderes do PT, na Câmara e no Senado, anunciaram que também acionarão o órgão, ainda na tarde desta sexta-feira.

“É muito grave imaginar que um órgão público como a Abin serviu a um interesse privado. Isso já seria um desvio de função. Mas é mais do que isso, quando a Abin organiza uma estratégia para fazer com que um réu possa escapar de uma investigação, o órgão púbico está provocando uma obstrução de Justiça”, afirmou Freixo. “O filho do presidente não é melhor, maior ou mais importante que outro cidadão”, acrescentou.

Parlamento

O líder do Cidadania na Câmara, Arnaldo Jardim (SP), solicitará a convocação do ministro Augusto Heleno para explicar ajuda da Abin a Flávio Bolsonaro. “É uma revelação gravíssima, que nos leva a requerer a presença do ministro Heleno para que preste os devidos esclarecimentos. O Congresso Nacional precisa pôr um freio na empreitada palaciana que usa a estrutura pública para defesa de um acusado, só porque este é filho do presidente da República. Parece-nos uma inversão total de valores daquilo que é atribuição da Abin”, declarou.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) apresentou requerimento para convocar Heleno e disse que irá requerer à Comissão Mista de Inteligência do Congresso Nacional a instauração de investigação sobre o “uso indevido da Abin em favor de ações criminosas por parte de parentes do presidente da República”.

O PSol fará um aditamento à denúncia de Freixo no Conselho de Ética do Senado contra Flávio Bolsonaro. Deputados do Novo também vão apresentar requerimento de informações aos órgãos envolvidos no caso.

Últimas notícias