Nos laboratórios do país, 60% dos testes de Covid dão positivo

Foram realizados cerca de 390 mil exames de Covid-19 em laboratórios médicos na última semana de janeiro. Dados são da Abramed

atualizado 02/02/2022 16:07

testagem teste de CoViD 19Vinicius Schmidt/Metrópoles

Laboratórios vinculados à Associação Brasileira de Medicina Diagnosticada (Abramed) realizaram quase 390 mil exames de Covid-19 na última semana de janeiro. Desse total, cerca de 60% deram positivo.

Houve um aumento na taxa de positividade. Na penúltima semana de janeiro, 57% dos exames tiveram diagnóstico positivo para o novo coronavírus. Na ocasião, foram realizados 320 mil testes – um aumento de 18% no período.

Por outro lado, a procura por exames de influenza caiu 12%, sendo realizados mais de 150 mil deles. A taxa de positividade passou de 7,7% para 2,8%.

Ainda com relação à influenza, o pico de positividade não foi em janeiro, mas sim na última semana de dezembro, quando chegou a 41%. Em janeiro, a taxa de positividade média foi de 12,5%. Na primeira semana do mês, era de 30%.

Boom de casos

Sobretudo devido à variante Ômicron, o Brasil tem registrado um boom de casos de Covid, com recorde atrás de recorde.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
Publicidade do parceiro Metrópoles 6
0

O país computou, nessa terça-feira (1º/2), 193.465 casos confirmados da doença. Com isso, a média diária de infecções pelo novo coronavírus está em 186.985, aumento de 124% em comparação ao índice de 14 dias atrás.

O Brasil também registrou 929 mortes provocadas pela Covid-19 e a média de óbitos diários foi a 603, alta de 184% maior que o verificado há 14 dias.

Vacina

Graças à vacinação, a Covid-19 não tem sido tão mortal se comparada às primeiras ondas da pandemia.

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse nesta terça-feira, no entanto, que é “prematuro” celebrar vitória contra a doença.

“Estamos preocupados que uma narrativa tenha se consolidado em alguns países que, por causa das vacinas e devido à alta transmissibilidade e menor gravidade da Ômicron, a prevenção da transmissão não é mais possível e não é mais necessária. Nada poderia estar mais longe da verdade”, alertou o diretor da OMS.

Atualmente, 74,9% da população brasileira vacinável – 198,5 milhões de pessoas, segundo projeção do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – está com o ciclo vacinal completo. Ou seja, 149,9 milhões de pessoas estão totalmente imunizadas.

Mais lidas
Últimas notícias