Hackers: com renda de R$ 3 mil, suspeitos movimentaram R$ 627 mil

Movimentação foi em 3 meses. O juiz ordenou, paralelamente à prisão, a quebra de sigilo de e-mail e bloqueio de bens de todos os suspeitos

Michael Melo/MetrópolesMichael Melo/Metrópoles

atualizado 24/07/2019 16:09

A decisão do juiz federal Vallisney de Souza Oliveira, responsável por autorizar a Operação Spoofing, que prendeu quatro suspeitos de terem hackeado os celulares do ministro da Justiça, Sergio Moro, e do procurador Deltan Dallagnol, inclui – além do pedido de prisão temporária – busca e apreensão, quebra de sigilo bancário e de e-mail, e bloqueio de bens dos envolvidos.

“As prisões temporárias dos investigados são essenciais para colheita de provas que por outro meio não se obteria”, justifica o juiz ao determinar a prisão temporária de cinco dias.

Os suspeitos são: o DJ Gustavo Henrique Elias Santos, 28 anos, que já usou o nome artístico “Guto Dubra”, o seu amigo Walter Delgatti Neto, mais conhecido como Vermelho, 30, além de sua esposa, Suelen Priscila de Oliveira. Junto a eles foi preso Danilo Cristiano Marques, sobre quem foram revelados poucos detalhes. Todos são do estado de São Paulo, sendo dois do interior e dois da capital.

O juiz pediu, igualmente, uma investigação aprofundada sobre as movimentações bancárias de Gustavo e Suelen. Mesmo com renda mensal de aproximadamente R$ 3 mil, eles movimentaram R$ 627 mil nas contas bancárias. Segundo as investigações, Walter, Danilo, Gustavo e Suelen agiram “em conjunto”.

“Diante da incompatibilidade entre as movimentações financeiras e a renda mensal, faz-se necessário realizar o rastreamento dos recursos recebidos e movimentados pelos investigados”, explicou, na decisão, Vallisney. As movimentações teriam ocorrido entre os meses de março e junho, segundo consta na decisão.

Provedores
O juiz pediu informações à Apple, ao Google, ao Uol/Bol e à Microsoft para que forneçam os dados cadastrais, os registros IP de acesso e “mac address” dos últimos seis meses dos quatro suspeitos. Além disso, Vallisney quer ter acesso a todos os Arquivos armazenados das contas de e-mail dos envolvidos.

“Considerando que os e-mails em questão foram utilizados pelos investigados para a prática criminosa, é indispensável o afastamento de sigilo telemático de tais contas e o envio das informações requeridas”, escreveu o juiz.

Operação
Na terça-feira (23/07/2019), a Polícia Federal (PF) prendeu quatro pessoas suspeitas de hackearem os celulares do ministro da Justiça, Sergio Moro, e do procurador da Lava Jato, Deltan Dallagnol. Esses seriam os aparelhos que teriam dado origem à publicação de conversas demonstrando possível interferência do ex-juiz na Operação Lava Jato.

Decisão – 10a Vara by Anonymous JoGhJ4o on Scribd

A operação cumpriu sete mandados de busca e apreensão e ocorreu no estado de São Paulo, mas os presos foram trazidos a Brasília para interrogatório.

O ministro informou que teve o seu celular invadido no dia 4 de junho por um hacker que teria acessado o aplicativo Telegram do aparelho e trocado várias mensagens com os contatos do ex-juiz da Lava Jato. Moro disse que pediu o cancelamento da linha e a troca de telefone.

Últimas notícias