Dólar fecha pela primeira vez acima de R$ 5; Bolsa cai 13,9%

Ibovespa abriu o dia em baixa e registrou um novo circuit breaker. Próximo ao fechamento, registrava 71.168,05, caindo 13,92%

atualizado 16/03/2020 17:48

Em um cenário de tensão nos mercados globais, o dólar fechou esta segunda-feira (16/03) com novo recorde nominal e estabeleceu-se acima dos R$ 5, cotado a R$ 5,0523. A bolsa fechou a 71.168,05 pontos, numa queda de 13,92%.

A alta nos valores é uma das consequências das alterações no mercado por conta do novo coronavírus. Na sexta-feira (13/03), foi registrada a terceira maior cotação, no valor de R$ 4,813, após a declaração de estado de emergência nacional pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Após uma das piores semanas registradas na história, o Ibovespa voltou a registrar grande tombo nesta segunda-feira, após novo circuit breaker, o primeiro da semana, confirmando expectativas de investidores ouvidos pelo Metrópoles.

Esta foi a quinta interrupção em seis pregões. A Bolsa voltou a operar em queda de 14%. Após quase acionar o segundo circuit breaker do dia, o Ibovespa reduziu a queda e para 9,51% às 12h07, com 74,9 mil pontos. Às 14h15, a queda era de 10,96% (73.616,99 pontos). NO fim, a queda voltou a acelerar e chegou aos -13,92% do fechamento.

Equilíbrio

O circuit breaker é acionado por 30 minutos, quando as negociações são interrompidas. A medida é uma forma de trazer um equilíbrio para as posições de compra e venda, além de proteger o mercado de volatilidade.

As Bolsas de Valores mundiais também foram afetadas e despencaram nesta segunda. A maior queda registrada nesta segunda-feira (16/03) foi a da Austrália, que teve baixa de 9,52%. Devido ao fechamento do mercado no Oriente, a Bolsa de Taiwan, na Ásia, teve baixa de 4,06%. A de Hong Kong caiu 4,03% e a da China, berço da pandemia, registrou queda de 3,4%.

Já na Europa, o pior desempenho foi na Grécia, com 11,44%. A França e a Bélgica registraram quedas semelhantes, com 9,89% e 9,12%, respectivamente. A Holanda também teve o mercado prejudicado, fechando em 8,53%.

Últimas notícias