*

Os médicos foram verdadeiros com Lytina Kaura, moradora de Wollaton, Reino Unido: ela nunca poderia ser mãe. Isso porque, aos 18 anos, um ano após ser diagnosticada com leucemia, os especialistas disseram que o sistema reprodutor estava prejudicado e que ela não teria filhos. Lytina, no entanto, ainda tentou. Mas não dava certo. Tanto é assim que ela sofreu 17 abortos espontâneos.

No entanto, o sonho dela, de repente, virou realidade. E no período de apenas nove meses, ela virou mãe de quatro meninas. A primeira nasceu dela mesma, em fevereiro de 2015. “Foi um choque. Eu e meu marido esperávamos um aborto espontâneo. Todos os dias eram muito difíceis. Não ia a lugares e não dirigia. Não contei para ninguém”, disse ao jornal Nottingham Post.

Em setembro do mesmo ano, outra surpresa: gêmeas nasceram de uma barriga de aluguel. Lytina tinha congelado alguns embriões e, os últimos quatro, deram certo. Um mês depois, ela descobre que está grávida novamente. “Minha segunda gravidez ocorreu muito rápido”, conta Lytina.

Em junho de 2016, nascia, prematuramente, a última filha. “Eu estava de boa com a vida quando, de repente, em nove meses, ela virou de cabeça para baixo. Amo passar meu tempo com minhas bebês e tenho que aproveitar, pois elas vão para a escola daqui a pouco”, explica.

Segundo Lytina, ela usa 82 fraldas em um período de cinco dias e já parou de contar quanto usa de papinhas e comidas. “Sou muito sortuda. Elas, inclusive, dormem bem e não acordam à noite”, diz.



COMENTE

 
Reino Unidoaborto