*
 

Nico Rosberg está muito perto de se tornar campeão mundial de Fórmula 1. Neste domingo (9/10), o piloto alemão venceu o GP do Japão, disputado no circuito de Suzuka, viu seu único rival pelo título, Lewis Hamilton, chegar na terceira colocação, e abriu 33 pontos de vantagem na liderança. Faltando quatro corridas para o fim da temporada, ele nem precisa mais ganhar provas. Pode chegar em segundo em todas para mesmo assim levantar o troféu pela primeira vez.

O título do Mundial de Construtores, por outro lado, já tem dono Agora oficialmente, porque desde a primeira corrida do ano sabia-se que ele ficaria com a Mercedes. Encerrado o GP do Japão, a fatura está liquidada, uma vez que a equipe de Rosberg e Hamilton tem 593 pontos e não pode mais ser ultrapassada pela Red Bull, que soma 385. Faturou, assim, o tricampeonato.

No Mundial de Pilotos, Rosberg chegou a 313, contra 280 de Hamilton. O britânico, atual bicampeão, já não depende só dele. Nos últimos quatro Grande Prêmios da temporada – EUA, México, Brasil e Abu Dabi – estarão em jogo 100 pontos, no máximo. Mesmo que consiga esse feito, vencendo todas provas, Hamilton precisa torcer contra Rosberg, que se manteria à frente com três segundos e um terceiro lugar, por exemplo.

São contas, teorias, porque o que se vê na prática neste momento da temporada é Rosberg sobrando. Ele liderou todos os treinos livres do GP do Japão, largou na liderança e venceu de ponta a ponta. Só foi ameaçado por Hamilton no finalzinho do treino de classificação, quando o britânico se aproximou a ponto de terminar só 0s013 mais lento.

Todo o esforço de Hamilton na classificação, porém, foi em vão. O britânico largou muito mal e despencou do segundo para o oitavo lugar nas primeiras curvas. Rosberg manteve a ponta, seguido por Max Verstappen, da Red Bull, que ganhou uma posição após largar em terceiro. Sergio Pérez pulou para terceiro e Sebastian Vettel para o quarto lugar.

Para Hamilton, a corrida foi de recuperação, com ele passando de volta um por um dos rivais que o ultrapassaram na largada. Faltou só Verstappen. Os dois chegaram a disputar posição nas oito últimas voltas, com o britânico sendo mais incisivo na penúltima delas. O holandês fechou a porta, jogou o rival para a área de escape, e garantiu o segundo lugar.

Para Verstappen, que correu quase a prova toda afastado de Rosberg por cerca de 4 a 5 segudos, foram 18 pontos importantes, que o colocam de novo na briga pelo quarto lugar do Mundial. Ele e Vettel têm 165 pontos, contra 170 de Kimi Raikkonen. Em terceiro aparece, com alguma folga, o outro piloto da Red Bull, Daniel Ricciardo. Vencedor na Malásia, na etapa anterior, ele terminou apenas no sexto lugar em Suzuka. Com 212 pontos, deu adeus à briga pelo título.

A prova no Japão teve um feito raro: todo mundo que largou recebeu a bandeira quadriculada. Não houve desistências ou acidentes. Outra surpresa foi o desempenho da Force India, que completou com Perez em sétimo e Hulkelberg em oitavo. A equipe só andou atrás das três grandes e não foi ameaçada pelos carros da Williams, que chegaram na sequência.

Por outro lado, a Haas não conseguiu repetir o ótimo desempenho da classificação, quando colocou seus dois pilotos no Q3, e permitiu a Grosjean largar em oitavo. O francês chegou em 11.º, fora da zona de pontos, enquanto Gutierrez foi só o 20.º, à frente dos carros da Manor, apenas.

Para Felipe Massa a prova não foi de toda ruim. Ele largou em 12 º, atrás do companheiro Valtteri Bottas, e chegou no nono lugar, logo à frente do finlandês. Com 43 pontos, assumiu seu lugar de direito no Top 10 do Mundial, exatamente em décimo. Bottas está em sétimo, com quase o dobro de pontos – 81.

Já Felipe Nasr, de novo, não tem motivos para sorrir. Depois de largar na antepenúltima posição, só melhor do que a dupla da Manor, o brasileiro só conseguiu ganhar uma posição, fechando em 19.º com a Sauber.

Confira a classificação final do GP do Japão:

1º – Nico Rosberg (ALE/Mercedes), a 1h26min43s333

2º – Max Verstappen (HOL/Red Bull), a 4s978

3º – Lewis Hamilton (ING/Mercedes), a 5s776

4º – Sebastian Vettel (ALE/Ferrari), a 20s269

5º – Kimi Raikkonen (FIN/Ferrari), a 28s370

6º – Daniel Ricciardo (AUS/Red Bull), a 33s941

7º – Sergio Pérez (MEX/Force India), a 57s495

8º – Nico Hülkenberg (ALE/Force India), a 59s17

9º – Felipe Massa (BRA/Williams), a 1min37s763

10º – Valtteri Bottas (FIN/Williams), a 1min38s323

11 – Romain Grosjean (FRA/Haas), a 1min39s254

12º – Jolyon Palmer (ING/Renault), a 1 volta

13º – Daniil Kvyat (RUS/Toro Rosso), a 1 volta

14º – Kevin Magnussen (DIN/Renault), a 1 volta

15º – Marcus Ericsson (SUE/Sauber), a 1 volta

16º – Fernando Alonso (ESP/McLaren), a 1 volta

17º – Carlos Sainz Jr (ESP/Toro Rosso), a 1 volta

18º – Jenson Button (ING/McLaren), a 1 volta

19º – Felipe Nasr (BRA/Sauber), a 1 volta

20º – Esteban Gutiérrez (MEX/Haas), a 1 volta

21º – Esteban Ocon (FRA/Manor), a 1 volta

22º – Pascal Wehrlein (ALE/Manor), a 1 volta

 

 

COMENTE

Fórmula 1Lewis HamiltonFelipe MassaFelipe NasrNico RosbergF-1
comunicar erro à redação