*
 

O jornalista Carlos Marcelo levou nove anos de pesquisas até chegar ao livro “Renato Russo — O Filho da Revolução”, lançado em 2009. O assunto, porém, não se esgotou com a publicação. Passados sete anos do lançamento, volta neste mês às prateleiras em nova edição, revista, atualizada e ampliada pelo autor e editado pela Planeta.

“Renato Russo — O Filho da Revolução” acompanha a passagem de Renato Manfredini Junior de adolescente introspectivo a líder da Legião Urbana, que se tornaria a maior banda do rock brasileiro. A  narrativa, portanto, se passa principamente entre os anos 1970, numa Brasília que vivia sob a ditadura militar e os 1980.

renato russo filho da revoluçãoMaterial precioso e narrativa minuciosa
Para produzi-lo, Carlos Marcelo realizou mais de 100 entrevistas e conseguiu reunir material inédito e precioso, como  manuscritos com os planos ambiciosos do iniciante Renato; reproduções dos rascunhos de sucessos como “Faroeste Caboclo”, “Eduardo & Monica” e “Tempo Perdido” e letras vetadas pela Censura Federal.

Ao mesmo tempo em que conta a história de Renato Russo, o autor recria com minúcias as particuaridades e o cotidiano de uma Brasília (e de um Brasil) muito diferente da dos dias atuais. Esse é um dos aspectos que torna a leitura fascinante. Desde que foi lançado (primeiramente pela Agir), “Renato Russo” integrou listas de mais vendidos de não ficção e ganhou reedição — sem, porém, os acréscimos que agora fora feitos.

Os últimos cinco anos
“Os pontos de partida e de chegada do livro continuam divididos entre as duas cidades de Renato: Rio de Janeiro e Brasília, velha e nova capital”, comenta Carlos Marcelo no prefácio da nova edição. “Há, contudo, diversos acréscimos”.

O mais substancial deles, ele aponta, é um capítulo inédito, que aparece antes do epílogo. Este trecho comporta de informações sobre os cinco anos que antecederam a morte do cantor, em 11 de outubro de 1996. Foi um período de intensa produtividade: Renato organizou a coletânea “Música Para Acampamentos” e produziu material para seis discos inéditos — quatro com Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá, dois com o tecladista Carlos Trilha.

Parceria com Marisa Monte
Para tanto, Carlos Marcelo realizou mais um punhado de entrevistas com amigos e colegas de Renato e colegas. Entre eles, Carlos Trilha e Marisa Monte. A cantora e Renato se conheceram no Rio de Janeiro e chegaram a fazer uma parceria.

Assinam juntos a música “Celeste”, que foi gravada pela Legião com o título de “Soul Parsifal” no disco “A Tempestade”, de 1996. No livro, Marisa fala sobre como foi o encontro e o processo criativo da música, além de dar suas impressões sobre o artista.

Foram acrescidoss à narrativa, também, um caderno de fotos coloridas e referências a livros e filmes lançados depois de 2009, que ajudaram a cimentar a imagem de Renato Russo junto a novas gerações — a exemplo dos longas “Faroeste Caboclo” e “Somos Tão Jovens”, vistos por mais de 3 milhões de espectadores.

“Duas décadas depois da morte do vocalista da Legião Urbana, ele permanece por aí e por aqui. Assombrando, surpreendendo, emocionando. É um dos raros de sua profissão que conseguiu ultrapassar a barreira geracional e continuar relevante para jovens e velhos, pais e filhos”, escreve Carlos Marcelo.

Renato Russo — O Filho da Revolução
Livro de Carlos Marcelo. Editora Planeta, 464 páginas, R$ 49,90.

 

 

COMENTE

renato russolegião urbanarock brasileirorenato russo - o filho da revoluçãocarlos marcelo
comunicar erro à redação