*
 

Em vez dos engravatados de sempre, mulheres poderosas comandam a Esplanada dos Ministérios. A mais influente delas é a senadora Maria Pilar, vivida por Dira Paes. Manipuladora, ela tenta fraudar a licitação de um projeto para favorecer uma amiga empresária.

Esse cenário de falcatruas, lobbies e jogos de interesse é construído com bom humor na comédia “Mulheres no Poder”, que estreia na quinta (27/08) na cidade. Diretor e roteirista, Gustavo Acioli se distanciou de personagens reais para evitar a simples paródia. Por isso, escalou somente mulheres para os papéis – e “cargos” – principais: Elisa Lucinda encarna uma jornalista e Stella Miranda, uma ministra.

No caso de Dira, Acioli escreveu a personagem de Maria Pilar especialmente para a paraense. “Ela é a maior atriz do cinema brasileiro hoje. E é uma pessoa atenta à política, com vários tipos de engajamento”, diz o carioca. Diretor e atriz também trabalharam juntos em “Incuráveis” (2005), vencedor do troféu Candango de melhor ator (Fernando Eiras) no Festival de Brasília.

O diretor rodou “Mulheres no Poder” durante quatro dias na capital, no início do ano passado. Complementou a trama com passagens no Rio de Janeiro. Mesmo com a distância entre a época da filmagem e a atualidade encharcada de matérias sobre corrupção, ele sente que o público notará conexões entre as trapaças reais e ficcionais. Ele brinca:

“Estou até assustado, no bom sentido. O noticiário reforça várias situações do filme, como a delação premiada, algo que não estava em voga quando filmamos e que é o assunto do momento”.

Durante três anos, Acioli montou uma oficina de atores no Rio de Janeiro. Nesse período, produziu por volta de 70 curtas, assumindo todas as funções possíveis, da direção à montagem. Nos breves filmes, ele pôde experimentar soluções engraçadas e articular influências extraídas da telinha. De séries da rede britânica BBC, como “Absolutely Fabulous”, a “Viva o Gordo” e “TV Pirata”, humorísticos de sucesso na tevê brasileira entre as décadas de 1980 e 1990.

Que o público de “Mulheres no Poder”, portanto, não espere nada parecido com “O Candidato Honesto” (2014), fita sobre os bastidores da política estrelada por Leandro Hassum. “Nem pensei na comédia que está sendo feita hoje para elaborar esse filme”, avisa Acioli.

 

 

COMENTE

Dira PaesStella MirandaGustavo Aciolimulheres no poderPolíticaElisa Lucinda
comunicar erro à redação