*
 

Uma recomendação da Polícia Militar tem sido criticada pelos próprios integrantes da corporação. Os PMs que atuam nas regiões de São Sebastião, Paranoá, Sobradinho, Planaltina e Lago Norte foram orientados a evitar o uso das sirenes antes das 9h e depois das 21h. O aviso foi dado depois que um morador do Lago Norte fez uma denúncia na ouvidoria da PMDF.

A queixa se refere a um caso que ocorreu em 25 de março deste ano. O denunciante relatou que dois policiais que estavam em uma viatura, tipo sedan, circulavam em baixa velocidade, no Lago Norte, com a sirene ligada a “toda altura”. O morador disse que ligou para o 190 (emergência da PM) para avisar sobre o procedimento feito pelos militares.

“O policial que atendeu disse que não era normal tal procedimento. Também concordei por se tratar de um bairro residencial e que a sirene só é ligada para abrir caminho ou durante perseguição a criminosos. Não deve ser usada para perturbar a população”, disse o morador. Na denúncia enviada à PM, ele ressalta que o caso ocorreu por volta das 1h40 e que os militares estavam fazendo uma “arruaça”.

A reclamação foi enviada ao Comando de Policiamento Regional Leste (CPRL), responsável pelas cinco cidades atingidas pela medida. A corporação pediu para que os militares sejam identificados e afirmou que vai adotar medidas para que o caso não volte a ocorrer.

A Polícia Militar esclarece que não se trata de uma proibição e, sim, uma recomendação. Portanto, segundo a corporação, os militares podem usar o equipamento em caso de emergência.

Alguns policiais ouvidos pela reportagem estranharam a medida. “O nosso serviço é prioritariamente ostensivo e preventivo. É um absurdo tal posição do comandante. Quem está na viatura é quem deve avaliar o melhor momento para a utilização da sirene ou do sistema de iluminação”, afirmou um policial, que pediu para não ser identificado.

Para outro PM, a sirene, muitas vezes, é uma aliada dos policiais que estão na rua. “Acredito que a população também se sinta protegida ao sentir que tem viaturas por perto”, ressaltou. Segundo ele, uma vez que a polícia reprime o uso do equipamento, acaba prejudicando o trabalho naquele determinado local. “Existem formas mais efetivas de resolver este problema, identificando e alertando os policiais que usam de forma errada. Acredito que eles são minoria na nossa corporação”, acrescentou.

O especialista em Segurança Pública George Dantas pondera que a sirene pode ser usada em diversos tipos de situação e que, geralmente, traz sensação de proteção para os moradores. “A medida pode ser debatida com toda a comunidade e não ser decidida com base em apenas um morador. Não acredito que esse incômodo represente a maioria”, afirmou.

De acordo com ele, o ruído produzido pelas viaturas ajuda a coibir a criminalidade. “A sirene mostra tanto a execução de um serviço, em casos de perseguição, como o anúncio da disponibilidade da PM na âmbito da segurança comunitária”, completou.

Uma sirene da PM chega a marcar acima de 100 decibéis.  De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a partir de 30dB, o som passa a ser impeditivo do sono, de forma que a maioria das pessoas não consegue dormir com esse nível de ruído. Acima de 55dB, a pessoa estará sujeita a estresse emocional; aos 60dB, há perturbação da concentração; acima de 75 dB, aumentam muito os riscos de perda da audição.

 

 

 

 

COMENTE

polícia militarrecomendaçãosirene
comunicar erro à redação