">
*
 
 

Na semana passada, o assunto foi quase unânime: as cenas da Ivana, na verdade, Ivan, contando para a família que é um homem trans. As reações foram tanto de compadecimento das personagens quanto de admiração pela qualidade técnica que “A Força do Querer” atingiu. Com total destaque para o trabalho da atriz Carol Duarte.

Bom, não tem muito o que explicar sobre o drama de Ivan. A família se recusou a vida toda a enfrentar como o garoto se sentia ou conversar sobre o assunto. Ele procurou ajuda externa e teve a sorte de encontrar o apoio da travesti Elis Miranda. Quando conseguiu dinheiro suficiente para começar sua transição e planejar a cirurgia de retirada dos seios, Ivan fez o famigerado anúncio, confirmando o temor de não ser compreendido por nenhum membro da sua família, nem ter apoio deles.

Algumas pessoas trans têm reclamado da forma como a história de Ivan tem se desenrolado. Dizem que a dificuldade em relação ao tratamento e à falta de compreensão da própria classe médica não está sendo corretamente abordada, mas, como sempre dizem, é novela. Produções como essa escolhem um âmbito de abordagem (no caso, o familiar) e o exploram à exaustão.

Aliás, me parece que o apoio dos espectadores é quase unânime em relação ao Ivan, porém a atitude da sua mãe tem gerado discussão. Como a personagem Joyce começou a novela com grande antipatia do público, algumas pessoas só transferiram este ódio ao caso e acham que ela deveria logo largar de frescura e aceitar o filho. Outra parte se compadece do seu sofrimento, entendendo seu drama e passando a gostar dela, por finalmente encontrar um ponto em comum. Por mais moderno e mente aberta que uma pessoa seja, ainda é demais esperar que pais não vão ter um choque ao descobrir que seu filho é trans.

É muito comum pais sentirem que são as pessoas que mais amam suas crias, pois os geraram e por isso seriam as pessoas que mais os conhecem e os compreendem. Mas descobrir a transgeneridade causa uma incompreensão, susto e uma sensação de que você falhou a vida inteira. “Como minha filha sempre foi um homem e eu nunca vi? Que espécie de pai eu sou? E todos os planos que eu fiz para esta menina, o que eu faço com isso agora?”

É uma questão de realocação de expectativas e sonhos. Um processo muitas vezes doloroso, mas nada tão doloroso quanto o processo do próprio trans."

E no auge do sucesso do personagem Ivan, lançando Carol no rol das grandes estrelas da Vênus Platinada, a atriz aproveita para declarar seu amor à sua namorada. Atitude que vai lhe livrar uma enorme dor de cabeça no futuro. Essa menina é f@#* mesmo!

Agora, uma amiga me procurou preocupada. Ela conseguiu explicar para a mãe tudo certinho sobre a situação do Ivan. “Mas, Ítalo, parece que o Ivan vai ficar grávido. Se isso acontecer, eu não sei como vou explicar isso para ela”. É, tem coisas que são difíceis de explicar mesmo. Para onde faltam as palavras, só nos resta abrir o coração.

lgbttelevisãotransexuais
 


COMENTE

Ler mais do blog