E. L. James brasileira: Valéria Veiga vira febre na Amazon com romance hot

Com o livro Casa Comigo?, escritora já conquistou mais de 2 milhões de downloads em plataformas como o Wattpad

atualizado 25/12/2020 10:51

Escritora Valéria VeigaArquivo Pessoal

Em 2011, quando lançou o best-seller 50 Tons de Cinza, a escritora E.L. James não só popularizou a leitura erótica feminina, como abriu caminho para que novas autoras enveredassem pelo gênero. Uma das “discípulas” da britânica é a brasileira Valéria Veiga que, em apenas um ano, conquistou mais de 2 milhões de downloads de seus livros em plataformas como Wattpad e Amazon.

Nascida em Niterói (RJ) e formada em Educação Física, Valéria, de 43 anos, demorou a despertar para a escrita. Só em 2018, quando já morava nos Estados Unidos, decidiu que era hora de se arriscar no universo das letras. “Eu voltava para casa, depois do feriado de Natal, com a minha família que tinha vindo do Brasil. Comecei a contar a história da minha vida e minha sobrinha disse que tinha que virar um livro. Ela insistiu tanto que, em 2019, mesmo sem nenhuma experiência, escrevi minha autobiografia”, lembra.

Intitulada Sem Fim – A História Real de Felipe e Juliana, a autobiografia foi lançada primeiro no Wattpad, comunidade virtual que conecta escritores e leitores. “Foi uma experiência maravilhosa, eu interagia com os leitores a cada capítulo que postava”, conta. A resposta positiva logo despertou o interesse da SF Editorial, que publicou a versão física do título. A estreia no mercado literário virou uma série de três livros e, em fevereiro deste ano, a escritora já havia finalizado as duas obras que concluem a trilogia.

Valéria Veiga
A brasileira Valéria Veiga mora nos Estados Unidos desde 2016. Após o sucesso no mercado literário em 2020, criou a própria editora virtual de autopublicação, a Lil Owl
Sucesso

A partir daí, Valéria iniciou uma verdadeira maratona de escrita: em março, escreveu o primeiro romance de ficção, Casa Comigo?. A obra ultrapassou os primeiros 300 mil registros de leitura só no primeiro mês e ficou no topo do ranking de Romances Hot do site. Em abril, começou a escrever Doce Perigo, trama de amor narrada em uma série de cinco livros. Somadas, as obras, que também foram lançadas em versões físicas, ultrapassaram os 2 milhões de downloads.

Valéria Veiga recorda que, no início, não tinha consciência de que suas histórias estivessem agradando tantas pessoas. “Eu me surpreendi enquanto escrevia Casa Comigo?. Abria o Wattpad com uma média de oitocentos comentários diariamente, que foi crescendo. Quando resolvi ir para a Amazon, eu não tinha ideia nenhuma de todo esse alcance. Lembro que baixei o livro à noite e torci para que dez pessoas tivessem lido. Levei um susto quando vi 5 mil, logo depois 20 mil e 100 mil em uma semana. Com Doce Perigo foi a mesma coisa, em todos os livros da série”, ressalta.

A escritora considera que as atuais plataformas digitais e ferramentas de autopublicação são grandes aliadas de escritores em início de carreira, assim como ela. “Eu tive a oportunidade de vender os meus livros no mundo todo. Eu tenho muitos leitores no Reino Unido e no Japão, e eu não teria se não fossem os e-books”, salienta.  O Metrópoles fez um passo a passo para escritores amadores publicarem seus livros na internet, com dicas importantes para tornar sua história um best-seller.

Após o sucesso no mercado literário em 2020, criou a própria editora, a Lil Owl. “É um selo novo que estamos lançando para ajudar os leitores que querem tanto publicar e não sabem como fazer. Nós editamos, fazemos a diagramação e a revisão”, explica. A filha de Valéria, Lana Tyler, que é designer, cria a capa. “Depois colocamos em um editora virtual de autopublicação”.

 

0
Mulheres empoderadas

Com fama nas redes sociais, Valéria tem sido comparada à escritora britânica E.L. James, autora de 50 Tons de Cinza. “Eu fico sem palavras e ao mesmo tempo honrada, porque ela foi a escritora que abriu caminho para que as mulheres perdessem a vergonha de ler livros eróticos, e encorajou tantas outras a começarem a escrever também”, afirma a brasileira, que também é fã de Carina Rissi.

Para a escritora, o grande diferencial de suas histórias é romper com o paradigma da mulher em papel de submissão, comum nos romances femininos de suas ídolas. “Em cada livro criei mulheres fortes, que querem e se realizam em todos os aspectos da vida”, garante.

De acordo com Valéria, os personagens masculinos também fogem do estereótipo do empresário insensível, da masculinidade tóxica. “Eu não normalizo a violência contra a mulher como se fosse algo romântico. Em todos os livros eu mostrei os conflitos dos homens e as mulheres quebrando esse lado sombrio deles. Eu acho importante que as meninas entendam que bater não é prova de amor”, completa.

capa do livro Bratva, de Valéria Veiga
Bratva, próximo livro da série Doce Perigo será lançado ainda este mês
Futuro

Apesar dos recordes de downloads, Valéria pondera que ainda não é possível viver somente do que ganha com a escrita. “Eu trabalho aqui nos Estados Unidos como assistente pessoal e, por enquanto, eu não tenho como ficar só com os livros. O que eu ganho no Brasil eu invisto na minha carreira. Resolvi abraçar essa profissão e quero estudar, me aprimorar, para poder escrever cada vez mais e com qualidade para os meus leitores, porque eles merecem o meu melhor”, diz.

Agora em dezembro, Valéria lança Bratva, o quinto livro da série Doce Perigo. Em 2021, pretende escrever mais dois desta série e, em fevereiro, publicará a versão em inglês do mesmo conjunto de obras. “Vai se chamar Sweet Risk e estou muito animada. A tradução está sendo feita pela minha filha. Eu quero muito que Doce Perigo ganhe o mundo”, conclui.

Últimas notícias