MPDFT cobra índice de qualidade no transporte público do DF

De acordo com o órgão, o contrato com as empresas do transporte público prevê o mecanismo, que serve para a Semob exigir serviço melhor

atualizado 17/02/2020 13:53

Hugo Barreto/Metrópoles

Será implementado o Índice de Qualidade do Transporte (IQT) para aferição da qualidade dos serviços prestados pelas empresas de transporte público no DF junto aos usuários. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (17/02/2020) durante a apresentação do relatório trimestral sobre a área, realizada pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) e o Instituto de Fiscalização e Controle (IFC).

De acordo com o MP, já existe a obrigação contratual para esse índice, prevista na licitação de 2011. Seria, então, uma forma de o gestor — a Secretaria de Mobilidade (Semob) — cobrar das empresas um serviço adequado. “O que a promotoria tem feito, é exigir que o índice seja medido”, aponta Lenna Daher, da Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público (Prodep).

“(O índice) Envolve oito indicadores, relativos ao cumprimento dos horários dos ônibus, à limpeza dos ônibus e outras perspectivas que vão atuar diretamente na percepção do usuário para saber se o serviço está sendo prestado de forma adequada”, detalha a promotora.

Está previsto, no contrato, que a empresa que não atingir 80% desses indicadores será submetida a auditoria interna para melhoria dos processos. Se houver reincidência, poderá ter a concessão cassada. “Esperamos que com essa promessa de aplicação do índice, as empresas mudem os processos e melhorem a qualidade do transporte”, segue Daher.

Investigações

Segundo a promotora, a Prodep tem atuado para verificar como a gestão dos recursos públicos tem sido feita, paralelamente às investigações criminais. “Atrelada à auditoria dos transportes, verificamos que é necessário a gente ter um olhar mais profundo da política pública. Um dos pontos principais é a necessidade de melhorar a transparência da gestão”, explica.

Lenna Daher argumenta que uma política complexa, como é o caso do transporte público, que envolve gastos orçamentários na casa dos R$ 600 milhões, passa por diversos atos de gestão e, principalmente, é preciso saber como se dá o cálculo das tarifas.

“Esse é um ponto que temos dificuldade de obter informações em dados abertos e estamos sendo procurados pela sociedade para acesso de maneira clara”, diz.

Por isso, nesta terça-feira (18/02/2020), haverá uma audiência pública, às 14h, realizada pela Prodep para avaliar a transparência da gestão dos contratos de concessão do Sistema de Transporte Coletivo do DF (STPC-DF), as necessidades de melhoria e, especialmente, quanto à fixação das tarifas técnica e do usuário.

Complexidade

Já José Eduardo Sabo, procurador distrital dos Direitos do Cidadão (PDDC), explica que o órgão tem acompanhado os contratos de concessão do STPC-DF e a questão do reajuste da tarifa técnica.

“O MPDFT, de imediato, solicitou as informações técnicas que foram enviadas pela Secretaria de Transporte e Mobilidade. Agora, nós estamos fazendo a análise dessas informações para então, depois, tomarmos um posicionamento”, adianta o procurador.

De acordo com Sabo, o procedimento e as análises estão em curso. Entretanto, devido à complexidade do assunto, ele prefere não se “aventurar a prematuramente externar uma posição”.

Ainda segundo ele, o objetivo de todas as instituições é serem transparentes. “A priori eu não posso dizer que eles não foram transparentes com os dados informados. Depois da análise feita, poderemos fazer algum questionamento. Mas, agora, não.”

Mais lidas
Últimas notícias