Cerca de 15 bebês que aguardavam alta na pediatria do Hospital Regional do Gama (HRG) foram liberados no início da tarde desta quarta-feira (9/1). Pela manhã, 46 crianças recém-nascidas esperavam a avaliação de um especialista para deixar a unidade médica. De acordo com reclamações feitas pelas mães, a falta de profissionais no setor não apenas prejudicava o atendimento como também obrigava que as crianças ficassem internadas além do período necessário.

Como mostrou o Metrópoles, há 567 pediatras ativos no quadro da Secretaria de Saúde, com cargas horárias de 20 ou 40 horas semanais. Para atender as crianças do Distrito Federal, seriam necessários 920 profissionais trabalhando 20 horas por semana, o que representa um déficit aproximado de 38%.

Segundo o secretário-adjunto de Gestão em Saúde, Francisco Araújo, profissionais lotados em outros hospitais foram enviados ao HRG em caráter emergencial nesta quarta. De acordo com ele, a determinação partiu do governador, Ibaneis Rocha (MDB). “A ordem é não deixar ninguém ficar sofrendo por eventuais falhas na rede pública”, disse.

Segundo Araújo destacou, a equipe que assumiu o governo em 1º de janeiro encontrou problemas de gestão na rede, os quais estão sendo resolvidos pontualmente. “Criamos equipes móveis que são acionadas e enviadas às unidades para resolver questões pontuais até que tomemos pé de toda a situação”, explicou.

O gestor informou ainda que será aberta sindicância para apurar o que ocorreu. “Sabemos que não existe organização na rede e que vamos precisar de um tempo para mudar isso. Na maioria dos casos, a culpa não é do servidor. É problema de gestão. E queremos, com a colaboração dos funcionários, resolver as questões o mais rapidamente possível”, disse.