“Não é hora de afrouxar”, alerta Rafael Prudente sobre aglomerações no DF

Segundo presidente da CLDF, Casa estuda medidas mais enérgicas para coibir eventos que descumpram as regras do distanciamento social

atualizado 01/01/2021 17:15

Rafael PrudenteRafaela Felicciano/Metrópoles

Diante das cenas crescentes de aglomeração enquanto a pandemia avança novamente, o presidente reeleito da Câmara Legislativa (CLDF), deputado distrital Rafael Prudente (MDB), pediu para a população retomar os cuidados e o distanciamento social, medidas recomendadas pelos órgãos de saúde pública na luta contra a Covid-19.

“A gente precisa que as pessoas entendam que o momento não é de afrouxar as medidas, mas de se cuidarem”, alertou Prudente, logo após a cerimônia de recondução à presidência da Casa, nesta sexta-feira (1º/1). Prudente foi reeleito para o comando do Legislativo local.

Segundo o chefe do legislativo local, quem já foi infectado sabe o quão difícil é a doença e a recuperação. “O pós-Covid é muito difícil. Eu já e sei como é”, reforçou.

0

Na madrugada desta sexta-feira (1º/1), no Setor de Chácaras de Santa Maria, operação conjunta da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) e da Secretaria de Proteção da Ordem Urbanística (DF Legal) encerrou uma festa clandestina de Réveillon. Pelas contas da polícia, o evento reunia cerca de 1,5 mil pessoas.

No debate sobre a obrigatoriedade ou não da vacinação contra o novo coronavírus, Prudente pontuou que a palavra final deve ser da ciência. “Quem vai dizer isso é a ciência”.

O aumento das aglomerações também preocupa o vice-presidente reeleito da CLDF, deputado Rodrigo Delmasso (Republicanos). Na avaliação do parlamentar, o volume de grandes aglomerações vista no DF nos últimos dias não é razoável.

“Alguns deputados têm estudado elaborar um projeto que possa aplicar multa a quem promove grandes aglomerações”, contou.

Para Delmasso, no caso de eventos com segurança sanitária confirmada e fiscalizada, podem continuar. “Agora aqueles que fazem de forma irresponsável, principalmente tentando fazer de forma clandestina, é que precisam ser punidos”, concluiu.

“Hoje, evitar as aglomerações é a nossa vacina. Eu acredito que manter o distanciamento social é uma atitude responsável de todo cidadão”, ponderou. Para o distrital, o uso de máscara e álcool em gel também são cruciais para evitar a proliferação da Covid-19.

Apesar do posicionamento, Delmasso não é favorável à obrigatoriedade da vacinas. Para o vice-presidente da CLDF, não se pode “ferir a liberdade individual do cidadão” com a medida obrigando a imunização.

Últimas notícias