Homem que matou desafeto a tiros no DF é condenado a 14 anos de prisão

Kenny Roger fingiu aceitar desculpas por desentendimento para se aproximar de vítima e cometer o crime

atualizado 05/03/2021 22:32

TJDFTMichael Melo/Metrópoles

O réu Kenny Roger Santos Costa foi condenado a 14 anos e 3 meses de prisão pela prática de homicídio duplamente qualificado. Ele assassinou Pedro Lucas Rosendo Lima, na madrugada do dia 24 de julho de 2015, com disparos de arma de fogo. A vítima foi atingida na cabeça e nas costas. O motivo seria uma briga ocorrida no dia anterior.

Kenny Roger e Pedro discutiram após o acusado ter ofendido a namorada da vítima, segundo os autos. No dia seguinte, a vítima encontrou o irmão do acusado e pediu-lhe desculpas pelo desentendimento.

Em plenário, o representante do Ministério Público sustentou a condenação do réu pela prática do crime de homicídio qualificado, por motivo torpe e com emprego de recurso que dificultou a defesa da vítima.

A defesa, por sua vez, requereu a absolvição do acusado sob a tese da negativa de autoria e pediu a retirada das qualificadoras.

O júri popular acolheu a tese do Ministério Público em sua totalidade para condenar o réu. A juíza presidente do júri condenou Kenny Roger.

Para a magistrada, as circunstâncias do crime indicam que o homicídio foi praticado com recurso que dificultou a defesa da vítima, consistente em dissimulação: Kenny Roger fingiu aceitar as desculpas oferecidas e se aproximou da vítima, efetuando disparos à queima-roupa.

A julgadora afirmou ainda que os motivos se pautaram pela torpeza, consistente em vingança, já que o acusado matou Pedro Lucas em razão de uma briga que teve com esse no dia anterior. O acusado não poderá recorrer da sentença em liberdade. (Com informações do TJDFT)

Últimas notícias