DF: mesmo com contrato de manutenção, bombeiros fazem obra em quartel

Corporação sofre com déficit de 4,1 mil servidores e mantém, desde 2016, um acordo com empresa terceirizada para manutenção predial

CBMDF/DivulgaçãoCBMDF/Divulgação

atualizado 09/07/2019 23:02

Com um déficit de 4,1 mil servidores, uma cena do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF) está chamando a atenção nas redes sociais da categoria. As imagens mostram militares do Centro de Manutenção de Equipamentos e Viaturas (Cemev) empunhando pás e fazendo o uso de britadeira em uma obra do quartel, no Setor Policial Sul. O comandante-geral do CBMDF, coronel Carlos Emilson Ferreira dos Santos, disse que, como existia uma interdição dos banheiros, o chefe da unidade iniciou os trabalhos até a chegada da empresa terceirizada.

A situação é questionada entre os servidores porque o CBMDF mantém, há três anos, contrato para realizar as atividades de manutenção predial de todas suas sedes e grupamentos. Com isso, não haveria a necessidade de tirar os militares das suas atividades para trabalhar nas obras.

O contrato (veja abaixo) com a empresa privada JC Diehl Construções e Imóveis LTDA foi assinado em 7 de janeiro de 2016. Prorrogado em 2018, o acordo vale até o início de 2020. Dados do Portal da Transparência mostram que o CBMDF recorreu aos serviços da empresa em todos o meses deste ano. Ao todo, foram pagos, até o momento, R$ 1.410.365,75 pelas obras. No ano passado, R$ 4.510.812,94‬ foram desembolsados para o fim.

Contrato firmado entre empresa de manutenção e Corpo de Bombeiros Militar do DF by Metropoles on Scribd

Atualmente, o Corpo de Bombeiros sofre com a defasagem de 42,56% de pessoal nos quadros, somando combatentes e oficiais. Onde deveria haver 9.703 servidores, estão nomeados 5.584 homens e mulheres. Seguem em aberto 4.119 vagas, que aguardam nomeação.

Outro lado

Procurada pela reportagem, a divisão de comunicação do CBMDF disse ter sido informada pelo comandante do Cemev, tenente-coronel Lima, que os militares flagrados com os equipamentos foram “designados a realizar a fiscalização das obras que estão sendo feitas pela empresa contratada”.

Chefe da corporação, o coronel Carlos Emilson Ferreira dos Santos afirmou que os bombeiros iniciaram as escavações da rede que precisava ser restaurada daquele local, uma vez que a empresa contratada possuía muitas demandas. “Como existia até uma interdição dos banheiros, o comandante do centro iniciou os trabalhos até a chegada da empresa”, ressaltou.

O Metrópoles tentou contato com a JC Diehl, mas não obteve resposta até a última atualização desta reportagem.

Últimas notícias