Após 20 dias de fuga, Lázaro Barbosa é morto pela polícia em Goiás, diz Caiado

Homem é suspeito de matar família no DF e balear outras cinco pessoas numa sequência de assaltos em chácaras na capital do país e no Entorno

atualizado 30/08/2021 15:22

Lázaro BarbosaArte/Metrópoles

Suspeito de matar uma família no Distrito Federal e balear outras cinco pessoas numa série de assaltos em chácaras na capital do país e em Goiás, Lázaro Barbosa de Sousa, 32 anos, foi preso e morto nesta segunda-feira (28/6) pela força-tarefa formada por quatro corporações. O governador de Goiás, Ronaldo Caiado, fez o anúncio em suas redes sociais.

A polícia estava à caça do foragido havia 20 dias. Nesse período, o suspeito invadiu várias propriedades rurais fez reféns, roubou alimentos e impôs terror com violência e ameaças.

Veja o vídeo do anúncio do governador de Goiás:

A caçada ao maníaco se intensificou na madrugada desta segunda-feira. Policiais saíram às pressas da base onde está mobilizada a força-tarefa, em Girassol (GO), e foram para Águas Lindas de Goiás, no Entorno do Distrito Federal.

Lázaro foi visto no Setor Itamaracá, na área rural da cidade, a 20 km da base. Um morador da região disse que assim que avistou o suspeito ligou para a polícia. Ele estaria escondido na casa da ex-sogra nos últimos dias, segundo denúncias recebidas pelos policiais. Três helicópteros sobrevoam a região e policiais fazem incursões, também, dentro da mata.

0

Nesta manhã, a polícia fez buscas dentro da casa da mulher, identificada até então apenas como Isabel. Ela permitiu a entrada dos agentes da força de segurança ao local e colabora com as investigações. A ex-mulher de Lázaro chegou ao local com a polícia e foi levada da casa de Isabel dentro da viatura.

Negociação

Pessoas ligadas a Lázaro chegaram a fazer contato com um advogado criminalista para negociar sua rendição. O foragido planejava se entregar à polícia de uma forma que garantisse a sua integridade física.

Telefones de familiares, amigos e um aparelho que Lázaro carregava pela mata durante a fuga cinematográfica foram grampeados e monitorados pelas equipes de investigação. As informações facilitaram a prisão do maníaco.

Na terça-feira (22/6), em entrevista exclusiva ao Metrópoles, um criminalista chegou a dar indicativos de que o serial killer pretendia colocar um ponto final na fuga. O defensor assegurou ter sido abordado por um grupo religioso que estaria auxiliando Lázaro. “Me especularam se eu tinha condições de garantir a integridade física dele”, afirmou ele, que pediu para não ser identificado.

O advogado não ficou com o caso, mas ressaltou que Lázaro poderia ter escapado do cerco policial, que conta com 270 agentes, dezenas de viaturas, helicópteros e cães farejadores.

A rendição no DF é semelhante a que ocorreu há 13 anos, em Barra do Mendes, na Bahia, quando ele se entregou à polícia do município após matar dois homens e passar 9 dias embrenhado na mata.

Chacina

O cerco ao autor da chacina que aterrorizou moradores da região do Incra 9, em Ceilândia, e de Cocalzinho (GO) durou 20 dias e terminou após uma caçada intensa, envolvendo as polícias Civil e Militar, de Goiás e do DF, além da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e da Polícia Federal.

Lázaro chegou a trocar tiros duas vezes com a polícia e também com um caseiro de uma chácara em Areia Branca. O funcionário da chácara teria atirado mais de oito vezes contra Lázaro, que conseguiu fugir. Não se sabe se ele foi atingido. Um grande efetivo policial foi deslocado para a região, apertando o cerco contra o foragido.

O Metrópoles apurou que Lázaro teria pedido comida, e o caseiro não quis dar. Ele, então, efetuou disparos contra a janela da chácara, e o funcionário revidou. O caseiro não ficou ferido.

Tiros
Janela de chácara onde Lázaro efetuou disparos nesta segunda

Lázaro é suspeito de matar Cláudio Vidal de Oliveira, 48 anos, Gustavo Marques Vidal, 21, e Carlos Eduardo Marques Vidal, 15. Ele ainda sequestrou Cleonice Marques de Andrade, 43 anos, esposa de Cláudio e mãe das outras vítimas. O crime ocorreu na madrugada de 9 de junho, no Incra 9, em Ceilândia.

O corpo de Cleonice foi encontrado três dias depois, em um matagal. O cadáver estava sem roupa e com um corte nas nádegas, em uma zona de mata perto da BR-070.

A morte de Cleonice refletiu a crueldade de Lázaro Barbosa de Sousa, 32. Caçado por uma coalização de forças policiais, o maníaco executou Cleonice com um tiro na nuca.

Veja fotos das operações em Goiás:

Veja a cronologia do crime:

0

 

0

Desde que matou a família Vidal, Lázaro escapou do cerco policial e invadiu propriedades, fazendo novas vítimas. Ainda no Incra 9, em Ceilândia, ele entrou em outras duas propriedades. Obrigou os chacareiros a cozinhar para ele e, até, fumar maconha. Sempre agressivo, chegou a roubar e incendiar um carro, próximo a Cocalzinho.

No dia 12/6, ele invadiu a fazenda da família de um soldado do 8⁰ BPM, próximo à Lagoa Samuel. Ele fez o caseiro refém, quebrou tudo, bebeu e fumou maconha. Também obrigou o funcionário a consumir a droga.

Segundo a corporação, o soldado chegou à propriedade, no início da noite, foi até a cancela e, provavelmente, ao abri-la, o homem fugiu, levando o caseiro como refém.

O criminoso seguiu para a fazenda ao lado, a cerca de 700m, e baleou três homens. Havia no local uma mulher e uma criança. Testemunhas informaram que o suspeito da chacina colocaria fogo na casa e não o fez por causa das vítimas.

Últimas notícias