Paraisópolis: Doria promete afastar 38 PMs envolvidos em mortes

Policiais da Rocam e do 16º Batalhão devem sair do serviço de rua. No entanto, seguirão trabalhando internamente e com salário integral

atualizado 09/12/2019 21:46

Michael Melo/Metrópoles

Após encontro com familiares dos nove mortos na ação da Polícia Militar, no dia 1º deste mês, durante baile funk na favela de Paraisópolis (zona sul de São Paulo), o governador João Doria (PSDB) se comprometeu em afastar dos serviços de rua os 38 PMs envolvidos. As informações são do portal R7.

Seis PMs da Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas (Rocam), responsáveis por iniciar a ação em Paraisópolis, já estavam afastados desde o dia seguinte à tragédia.

Outros 32 policiais militares do 16º Batalhão também devem sair do serviço de rua. No entanto, seguirão trabalhando internamente e sem nenhum tipo de redução salarial.

Redes sociais
Também participaram da reunião com Doria integrantes do Conselho Estadual de Direitos Humanos (Condepe) e da Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo (OAB-SP).

A informação do afastamento foi publicada nas redes sociais pelo presidente do Condepe, Dimitri Sales, e o R7 confirmou com o Palácio dos Bandeirantes.

Os policiais militares devem ficar afastados do serviço de patrulhamento ostensivo até, pelo menos, o fim das investigações sobre o caso.

Últimas notícias