Malafaia ataca Moraes em vídeo: “Pior que nazismo e ditadura militar”

Líder religioso chamou ministro do Supremo de "ditador da toga" e cobrou autoridades a enquadrá-lo: "sua hora vai chegar"

atualizado 20/03/2022 18:50

Silas Malafaia gesticulaReprodução/YouTube

Em protesto agressivo contra a decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), de bloquear o Telegram, o pastor Silas Malafaia, líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, postou vídeo dizendo que o magistrado precisa “ser parado”, “sofrer um impeachment e ir para a cadeia”.

A publicação foi feita na tarde de domingo (20/3) em redes como YouTube e Twitter, nas quais o religioso é seguido por mais de um milhão de pessoas. Horas depois, Moraes revogou sua decisão alegando que o Telegram havia cumprido todas as determinações da Justiça.

Publicidade do parceiro Metrópoles
0

Moraes determinou na última sexta (18/3) o bloqueio do Telegram no Brasil para tentar obrigar a plataforma a se enquadrar às leis brasileiras, como a que exige que a empresa tenha um representante legal no país, para poder ser intimada em processos e decisões judiciais. Em resposta, o dono do Telegram, o russo Pavel Durov, pediu desculpas ao Supremo pela “negligência” da empresa e prometeu cumprir as exigências de Moraes.

Malafaia reagiu neste domingo criticando a decisão e o ministro que a tomou, respondendo a pedido da Polícia Federal, que apontou a plataforma como terra sem lei que favorece o cometimento de vários tipos de crime.

Além de cobrar ministros, senadores e entidades, Malafaia diz, no vídeo, que o ministro do Supremo “devia ser sofrer impeachment e ir pra cadeia”, que “estamos pior que nazismo, fascimo e ditadura militar e ninguém faz nada” e que “eu [Malafaia] não tenho medo dele [Alexandre]” e que a “vez” do magistrado “vai chegar”.

Veja um trecho:

Mais lidas
Últimas notícias